sábado, 27 de março de 2010

SAUDADES DE MIM


Acabei de colocar Ana Luiza para dormir depois do lanchinho da tarde. É sábado mas nem parece. Não me lembro qual foi a última vez que dormi uma noite inteira, nem faço a mínima idéia de quando isso acontecerá de novo. Depois de 24 dias, essa privação de sono começa a fazer efeito na minha (já pouca) paciência. Ter um bebê em casa definitivamente não é fácil...

Fiz alguns progressos com a amamentação, embora não tenham sido muitos. A pediatra me examinou e constatou que não sou um exemplo de vaca leiteira: minha filha não conseguiu ganhar o peso que deveria simplesmente porque não tem leite o bastante no meu peito. Isso não é legal de se ouvir. Meu sutiã passou de 44 para 46 a troco de nada? Parece que sim. Todas as receitas caseiras para aumentar a produção de leite passaram a fazer parte da minha rotina, mas infelizmente tive que adotar a mamadeira para complementar as refeições de Ana Luiza, senão a coitada desnutria. Dar o leite no copinho para alguém que nem sustenta a cabeça era minha utopia e - é claro - não deu certo...

Outra coisa que comprovei foi que o Capitão é tão bom pai quanto marido. Isso significa que a parte pesada fica por minha conta, ou seja, sou eu quem vai acordar todas as vezes que Ana Luiza chorar, e vai permanecer acordada, andando pela casa, cantando, enfim, inventando moda até ela pegar no sono novamente. Também sou eu quem vai passar 24h do dia tomando conta dela, trocando fralda, ouvindo o choro, passando horas a fio com ela no braço sem ter como cuidar da sua própria vida. Essas coisas sempre sobram para a mãe.

Há momentos em que começo a chorar, como se gritasse desesperadamente "Alguém por favor devolva a minha vida!!!". Minha alma ama Ana Luiza, mas está sentindo necessidade de ter uma parte do dia em que não precise ser mãe: possa ser apenas a médica recém-formada que quer estudar para atender melhor seus pacientes, ou a esposa que quer ter um tempinho a sós com o marido, ou a mulher que quer resolver sozinha seus problemas diários. Acabei descobrindo que ser mãe toma todas as horas do dia, nas poucas ocasiões em que Ana Luiza se acalma e dorme tem uma casa inteira precisando ser cuidada, aí ela acorda e começa tudo de novo. Às vezes nem ir ao banheiro eu posso...

Foi isso que eu quis dizer com a história da privação do sono: sem dormir, a "magia" de ser mãe vai embora rapidinho...

2 comentários:

Luciana Amâncio disse...

Vou, depois, conversar com Ana Luiza... dizer a ela que essas fraldas guardam o xixi um pouquinho, que o leite não vai sair correndo e, SOBRETUDO: QUE CHORAR DÁ RUGAS...!
Pra ver se ela se convence a chorar menos e te deixar dormir...

rsrsrsrs

Ju disse...

Ai , Marcella , juro , tinha dia que eu ficava o dia todo sozinha em casa e ia no banheiro com ela no colo !!!