sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

O POST MAIS SÉRIO DE TODOS OS TEMPOS!


Sabe os dias em que você se sente a mosca do cocô do cavalo do bandido? Sim, hoje a larva dessa mosca sou eu.

Talvez eu nunca tenha passado tanta vergonha pública em atividades acadêmicas quanto no seminário de Imunização, que aconteceu hoje no rodízio de Pediatria. Talvez nunca nenhum outro professor tenha olhado para mim com aquela cara de "Ô sua irresponsável, você não estudou e ainda quer vir aqui tentar me enrolar?", como dr. Henrique fez hoje no ambulatório. Mesmo no rodízio de Cirurgia. Ou talvez justamente porque foi no de Pediatria é que esteja doendo mais...

Mea culpa: realmente, não me matei de estudar. Aliás, não estou me matando por nada nesta vida desde meados de abril. No máximo, morro de dormir. Mas, para completar, meu raciocínio resolveu tirar férias neste fim de ano. Estou perigando não saber fazer uma conta de somar direito, quanto mais elaborar uma lista de hipóteses diagnósticas! O menino tosse, espirra, tem febre, faz cocô mole: o que pode ser? Sei lá, pode ser tanta coisa! Marcella, tem certeza de que você está no 9º período? Porque parece que estou lidando com os alunos do 4º! (Dr. Henrique é um gentleman, nunca diria isso com essas palavras, mas olhares não mentem jamais...)

Minha memória é uma folha em branco, que às vezes é escrita a lápis, mas apagada logo em seguida. Eu não guardo absolutamente nenhuma informação nova. Não adianta esse negócio de ler mais de uma vez: quantas vezes já li sobre infecções congênitas? Pelo menos umas 2 vezes no 5º período (quando paguei Pediatria), depois mais 4 vezes pra fazer os 4 concursos de Neonatologia do IMIP. Pergunta: consegui tirar 10 no seminário de Sifílis congênita de hoje? Resposta: precisa responder?

Aliás, já que toquei no assunto, depois de 6 meses de plantões semanais como acadêmica de Neonatologia do IMIP, como justificar que o meu desempenho na prova deste semestre tenha sido o pior de todos os concursos que eu já fiz???

Como diz Lulu,

Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia...

Mas em 2008 - e desde já - vamos acabar com essa palhaçada!

Pra começar (ainda é o começo???), cansei dessa de estudar e não aprender. Ou não estudar e não aprender do mesmo jeito. Cansei de sentir essa sensação terrível de "Por quê todo mundo consegue se dar bem menos eu?". Quero acabar com essa história de não saber responder as perguntas que me são feitas, não saber de cor conduta de doença nenhuma, nem valor normal de exame nenhum. Foram 9 períodos nessa brincadeirinha, assistindo às aulas e me dando mal nas provas (mesmo na época em que eu estudava de verdade...), 4 anos e meio sendo apenas uma estudante de medicina razoável. Quer saber? Estou verdadeira e definitivamente cansada disso. Não quero nunca mais que um preceptor olhe pra mim com a cara que Dr. Henrique fez hoje, cara de decepção e falta de confiança ("Essa aí vai ser no máximo a 'médica do Posto'..."). Quero que meu nome esteja nas próximas edições do Tratado de Pediatria do IMIP, como autora de capítulos, quero ser staff, quero que os próximos alunos de Medicina da UFPE olhem para a minha foto na placa de formatura e pensem "Puxa, Dra. Marcella está aqui!", do mesmo jeito que eu fico admirando as fotos das pediatras chefes nos corredores. Então, acabou essa história, de hoje por diante! Porque se Deus ainda não me mostrou outro caminho - mesmo diante do turbilhão de dificuldades que eu já tive nesse curso - é porque eu estou exatamente no lugar em que Ele me quer!

Bom, aprendi a cozinhar (o que eu julgava impossível), lavar banheiro, fazer compras do mês... Ser uma boa médica talvez não seja tão difícil...

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

ENTÃO É NATAL...


Vejam só, mais um Natal. 365 dias já se passaram desde o último, dá pra acreditar? Porque para mim parece que foi ontem, meu último Natal solteira, Mellina distribuindo presentes pra todo mundo, papai sorrindo na sala... Vejam só como o tempo passa mais rápido à medida que a gente cresce e não espera mais os presentes de Papai Noel...
Não, este post não pretende ser triste. O Natal nunca foi triste pra mim. Por mais que a gente nunca tivesse família grande pra reunir na ceia (e é por isso que eu quero ter 5 filhos), só o clima do Natal já me deixava alegre. Neste ano, é verdade, todos nós tivemos que nos esforçar mais para sorrir, porque um pedaço importantíssimo do nosso coração está morando com Deus agora. E foi a primeira vez que ele não estava conosco na ceia, tomando o uisquezinho dele, encostado no muro da cozinha. Mas a vida é assim, esse é o fim de todos nós, e é por isso que, mesmo que seja um esforço, o Natal não pode ser triste. Mesmo sem papai.
Deus permite que a cada dezembro o nascimento de Jesus se renove em nossos corações, renovando também a esperança de que no próximo ano tudo seja diferente. E diz: "Filha, 2007 não foi tão bom quanto você imaginava que seria no ano passado? Não se preocupe, um novo ano virá, com ele uma nova chance de ser feliz, e as feridas do teu coração também cicatrizarão, porque o menino Jesus habitará nele". É para isso que existe o Natal. Para lembrar que alguém se foi, mas graças a Deus muitos outros alguéns ficaram, e eu ainda tenho neste ano uma mãe maravilhosa, um marido que me ama, irmãs e cunhados, e meu cachorro lindo, todos para celebrar comigo as bençãos de um novo ano que se aproxima! É exatamente para isso que existe o Natal!
Então é Natal! E que ele seja verdadeiramente FELIZ para todos nós!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

...

Início do rodízio de Pediatria, minha última possibilidade de gostar da vida que escolhi pra mim (se eu, querendo ser pediatra, não gostar do rodízio de Pediatria, faço o concurso da Caixa!)... Até agora, feliz por ter ficado no HC (minha segunda casa...), empolgada com a possibilidade de não transformar cada dia em um sacrifício. Tão feliz e empolgada que chega a dar medo! =/
A geladeira descongelando na cozinha...
14 dias para o final do ano, 7 dias para o Natal... Natal diferente neste ano...
A hélice do meu ventilador quebrada, eu tendo que sair pra comprar uma nova, lembrando que esse era o tipo de tarefa que papai resolvia em 2 tempos... =(
É, o tempo passou rápido neste ano... E algumas pessoas acabaram indo embora cedo demais...
Boa semana a todos!
"Eu continuo aqui
Com meu trabalho, meus amigos
E me lembro de você em dias assim
Dias de chuva
Dias de sol
E o que eu sinto não sei dizer..."

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

CANTANDO PRA SUBIR!


O texto de hoje não é meu, foi tirado de http://www.vialuz.com/, é enoooorme, mas vale a pena ser lido. Principalmente porque é dezembro, um novo - e melhor - ano está vindo e os últimos posts foram bastante depressivos...

"Levantar-se da cama para começar mais um dia deveria ser motivo de prazer e entusiasmo em nossa vida. Para algumas pessoas, porém, isso até parece um sacrifício. Elas já se levantam cansadas e desanimadas para enfrentar mais um dia de batente. Quem se sente assim, provavelmente, perdeu o contato com o ideal de sua vida. Sem uma meta à qual dedicar sua existência, o ser humano dificilmente encontra motivação para fazer as coisas, para prosperar, para realizar conquistas. Só quem tem um ideal pode conhecer a verdadeira realização pessoal.

Um ideal de vida é querer ser alguma coisa: um médico reconhecido em sua especialidade; uma gerente de banco com clientes satisfeitos; um artista talentoso; uma vendedora de sucesso; um próspero empresário; uma esteticista que deixa os fregueses mais bonitos; um pedreiro caprichoso; um dono de loja onde as pessoas gostam de comprar; uma cozinheira que delicia os outros com seus pratos. A pessoa motivada a ser alguma coisa orienta, naturalmente, as ações em direção ao seu ideal. Como alguém que quer atingir o cume de uma montanha, ela vai procurar os caminhos que a levem até lá. A pessoa com um ideal claro na vida é objetiva, sabe o que tem de fazer e considera o fazer como um meio para alcançar sua meta. Quem tem um ideal tende a investir em si mesmo e a considerar conhecimentos e experiências adquiridos como seu grande patrimônio. Pode perder o emprego ou ser obrigado a mudar de cidade, mas adapta-se às novas situações porque sabe quem é e conhece o seu valor.

Todos somos divinamente destinados a ser algo, mas nem todos conseguem realizar o ideal de sua vida. Se, quando crianças, costumamos dizer o que queremos ser quando adultos, conforme crescemos, vamos nos ajustando às exigências do nosso mundo competitivo, incorporando os valores e condicionamentos sociais que levam-nos a priorizar o ter: ter um carreira, um apartamento, o carro do ano, o menor celular do mercado. Muitas vezes, a premência de fazer para ter afasta-nos do nosso ideal. Como você está conduzindo sua vida: baseado no ser ou no ter?

Se você é uma das muitas pessoas que, ao enquadrar-se no jogo da sobrevivência social e perderam o contato com o ideal de sua vida, saiba que a qualquer momento é possível tomar o caminho que leva ao cume da montanha. Seu ideal de vida está ligado ao que você tem prazer em fazer e à visão mais grandiosa que tem de si mesmo. Por um momento, volte ao estado de simplicidade em que vivia quando era criança e pergunte-se: o que eu quero ser, o que eu sonho ser na vida? O seu ideal também está ligado aos talentos e aptidões com que você foi aquinhoado ao nascer. Há certas coisas que você faz com facilidade e espontaneidade, pois recebeu de Deus os dons para ser o que é seu destino ser e, assim, realizar-se. Reconheça a sua vocação. Pergunte-se: o que, para mim, é natural fazer?, quais são as minhas habilidades? Compreenda que, por mais naturais e aflorados que sejam os seus talentos, é preciso burilá-los. É preciso desenvolver técnicas. Você pode ter o ouvido absoluto dos grandes músicos, mas precisa aprender a ler partituras e a tocar um instrumento - e, isso, você não nasceu sabendo. Acredite que, se você estiver no caminho que o leva à realização do seu ideal, os fatos e as circunstâncias da vida o empurrarão para a frente. Não se limite ou desanime caso não veja, em determinado momento, soluções para as dificuldades que surgirem. Mantenha-se firme na sua escolha e a vida lhe trará, com toda certeza, tudo de que você precisa. Você não tem dinheiro para fazer um curso? O dinheiro aparece. Não tem tempo para estudar? Você é que faz o seu tempo e certamente dará um jeito. A vaga de emprego está muito concorrida? Ela será sua; se não for essa será a próxima, ainda melhor. As portas se abrem para quem sabe o que quer, assume o papel que lhe cabe nesse mundo e tem fé. Só você pode saber o que é melhor para si. Tenha discernimento nas suas escolhas. Não se deixe contaminar pelo pessimismo e pela amargura de outras pessoas, nem influenciar pelos modelos de sucesso alheio. Sucesso e fracasso são fatores muito relativos. Avalie-os em relação à sua realidade. Por fim, não tenha medo de experimentar. Se você não se permitir experimentar, nunca vai saber no que as coisas vão dar.

As oportunidades que temos na vida não nos aparecem por acaso; sempre há um propósito por trás delas."

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

SEM ÂNIMO, SEM FOTO.

O estado de preguiça-desânimo da sexta está invadindo toda a semana. Parece que as coisas não fazem mais tanto sentido. Verdade que isso me incomoda muito. Aliás, para esclarecer, estou falando da minha vida acadêmica, que está um lixo. 4 anos de faculdade para não saber absolutamente nada. De quem é a culpa? Estou achando que é minha. Tem prova do IMIP no dia 14 e eu não estudei nem a metade. E não tenho vontade, o que é pior. Ou tenho vontade e não tenho coragem. E não sei de onde vem tanto desânimo.
Conheço algumas pessoas animadas, que topam qualquer coisa, a qualquer hora. E eu estou aqui faltando ao PSF porque às 6 da manhãnão conseguia nem levantar da cama. Sei de todas as minhas obrigações - domésticas e estudantis - mas não quero fazer nada. Sei da prova da residência em dezembro de 2009, sei que não terei 410 reais por mês para pagar um curso preparatório, sei da importância de um estudo organizado e com tempo. Mas estou aqui, na frente do computador, comendo pipoca e vendo a vida passar. Não apenas por preguiça, mas por falta de ânimo.
Pois é... Saco...

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

PREGUIÇA


Nem se juntassem todas as segundas-feiras do mundo iria justificar o estado de absoluta preguiça no qual me encontro nesta sexta-feira... Não dá vontade nem de tomar banho, só de ficar deitada no meu sofá azul, assistindo TV e comendo minha lata de brigadeiro da Moça Fiesta...

Hoje o Capitão que faça o jantar...

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

AQUECIMENTO PARA O DIA 15! =D


Vejam só aonde eu fui chegar
Não imaginei ir tão distante assim
Teu olhar por certo me atraiu
E a tua voz ainda ressoa em mim

Neste chão plantei o meu querer
Igual ao grão que se entrega ao fim
Cultivei, reguei com a vida
E a luz do sol gerou vida em meu jardim

Já passei por tantos lugares
Descobri: ias sempre ao meu lado
Me acerquei dos teus santos altares
E encontrei abrigo em teu coração sagrado

Como não te ouvir? Tua voz queima-me
Minh'alma quer estar junto de ti, meu Senhor
Dono de mim não sou, me acostumei ser teu
Lutei pra chegar até aqui
Pois trago em mim teu amor

Desde que te encontrei
E em teu caminho andei
Teus passos imitei e decidi não voltar
Todo o meu querer na estrada atrás ficou
Dizem que o mesmo já não sou
Mas trago em mim teu amor

Sou do amado meu

E o meu amado é meu..

( O AMADO - Vida Reluz)

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

VIVA 2008!!!


Promessas de Ano Novo:

REGIME! Estou de regime. Um regime light, é verdade - porque senão eu viro uma pessoa deprimida - mas ainda assim uma contenção de calorias significativa. Emagrecer é o primeiro objetivo de 2008.

ESTUDAR! Cumprir meu programa de estudo, visando à Residência de Pediatria em 2010.

ECONOMIZAR! É quase uma questão de sobrevivência, mas na verdade o que eu vou fazer é trocar os gastos, uma coisa por outra, e tentar fazer minha poupança para a formatura.

Chega, né? Já deu de promessas.

Ah! E hoje estou feliz, ao contrário do post anterior. Estou sem um tostão furado, mas feliz, de cabelo escovado, unhas feitas e auto-estima renovada. Por isso, o Ano-Novo começa agora.

Beijos!

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

HOJE NÃO É UM BOM DIA...


Não estou bem não... Dormi mal essa noite, tive pesadelo, febre, calor... Minhas pernas doem muito... Sofro com uma amigdalite bacteriana braba - que já foi gripe, já foi otite, já foi tudo - desde o início do mês... Ai...

Acabei de receber a melhor notícia do dia: não preciso ir ao PSF hoje à tarde! Isso é ótimo! Deus é muito bom comigo, quebrando esse galho num dia em que eu não estou nada bem! Obrigada, Senhor!

Sabe quando tudo o que você come faz mal? É isso. E eu não estou com gastrite (pelo menos é o que a endoscopia diz). Mas tudo ofende, tudo traz uma queimação enorme, me deixa pesada, com vontade de vomitar... E isso já faz uns 4 meses... Aí hoje acordei mais azeda do que nos outros dias, azeda com a minha própria impaciência e com as coisas erradas do mundo. Será que algum dia vou estar plenamente satisfeita, sem achar que ainda não encontrei meu rumo na vida? Os dias da semana vão se arrastando, eu não consigo admirar a estação enquanto o trem não chega... Ai que dor de estômago chata!

Não, hoje não é um bom dia nem para blog...

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

E AÍ, POVÃO?


Em primeiro lugar, meu Santinha caiu pra Terceirona. Mas vejam, para mim esse é um tema para elucubrações filosóficas (elucubrações??? kkkkkkkk), e não para choro e ranger de dentes. Se analisarmos a situação friamente, poderemos concluir que a tendência para o Santa agora é melhorar (quase como aquela idéia de "do chão não passa!"). O pior que pode acontecer é ele continuar na 3ª em 2009, mas acabou-se aquela tensão da "zona de rebaixamento". E esse não seria o momento ideal para testar novos talentos, nascidos e criados nas divisões de base do Arruda, atletas bem mais baratos e com motivação dobrada para tirar o Santa dessa situação? Tudo é mais barato na Terceira Divisão, os técnicos cobram menos, os jogadores exigem menores salários... O fato do deslocamento entre um jogo e outro ter de ser feito em ônibus (já que a CBF não paga passagem aérea para os times da Terceira) evita o estresse dos congestionamentos em aeroportos (tão comuns hoje em dia). O público nos jogos também será menor, o que permitirá que torcedores como eu - avessos à multidão - possam finalmente comparecer ao estádio e verem seu time jogar. Ademais, a Terceira não é o fim do mundo, existem diversos exemplos de times hoje na Primeira Divisão que passaram algum tempo nesse limbo, lapidando seus talentos... Portanto, nação tricolor, deixemos de drama e encaremos o problema de frente.

2008 está se aproximando, e, se você não percebeu ainda, está na hora de acordar. Meu casamento e a morte de papai transformaram 2007 num dos melhores e, ao mesmo tempo, num dos piores anos da minha vida. O próximo ano merecia uma renovada total. Pena que renovadas totais em geral custam dinheiro, e economizar também é - mais uma vez - uma das minhas promessas de Ano Novo... Por exemplo, eu gostaria de estudar algo que não tivesse nada a ver com Medicina e que não me obrigasse a comparecer às Reuniões Clínicas do Departamento. Porque, apesar de estar neste curso e assumir esta como minha proposta de vida, eu acho um tédio ficar discutindo taxas de pacientes, terapias, efeitos colaterais...

- Qual a conduta para um paciente com hipertrigliceridemia?

- Depende da taxa total.

- Digamos que esteja 800.

- Bem, estudos comprovam que pacientes com triglicerídeo maior que 500 se beneficiam da terapia com Fibrato.

- Mas vai tomar pelo resto da vida?

- Essa é uma questão a se discutir...

- Não seria a hora de usar terapias alternativas?

- Sabiam que a dosagem de Proteína C Reativa ajuda no manuseio desses pacientes?

E por aí vai, e meu saquinho já estourou há muito tempo...

Falando sério, se fosse de graça, eu tentaria estudar à noite algo que não tivesse nada a ver com a área de sáude, nem fosse virar minha razão de ser na Terra, apenas para expandir os horizontes e deixar de ver pacientes cheios de mazelas, queixando-se de seus problemas. Porque, por mais que você ache que tenha vocação, tudo tem limite e tem uma hora que cansa.. Pobre gosta muito de falar de doença! Não sou só eu que penso assim (há outros médicos preconceituosos no mundo! kkkkkk =D). Pobre fica contando as vezes que foi "socorrido" na Restauração, no Getúlio, no Oswaldo Cruz, as vezes que ficou internado, as "operações" que fez... E se for idoso, então! Está sempre com dor, a pressão sobe, o diabetes piora...

(Pronto, eu me superei! Agora, além da patuléia, estou esculhambando também os velhinhos! Ave Maria!)

Bom, a intenção era falar de renovação, de um 2008 com novas perspectivas, para mim, para o Santinha, para o mundo todo. Ainda há tempo de procurar alternativas para concretizar essa idéia. Falta mais de um mês para o fim do ano. Pensemos com mais calma sobre o assunto.

Beijos!

domingo, 18 de novembro de 2007

NÃÃÃÃOO!!!


Como assim?? O feriado já acabou?? Amanhã já é segunda-feira de novo e eu tenho que ir ao PSF de San Martin,, fingir que tenho paciência para lidar com comunidades e seus moradores? Ah, pelo amor de Deus!...

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

OLHOS DE RESSACA...


Eu QUASE tive um ataque cardíaco agora porque pensei que uma pessoa EXTREMAMENTE IMPORTANTE para mim tinha morrido subitamente. Por isso digo que olhar o orkut alheio faz mal, muito mal. Mesmo que dessa vez eu tenha entrado só para dar parabéns à pessoa pelo aniversário ocorrido nessa semana... Vamos combinar que encontrar um zilhão de recados de amigos dela dizendo que sentem muito, que a perda foi irreparável, que sabem da dor que ela está passando depois da morte de Júnior, francamente, é pra matar de susto!

O problema é esse povo do interior colocar o nome de Júnior em todos os seus filhos primogênitos. Aí numa mesma família existem infinitos "Júnior". Devia ser proibido, para evitar que algumas pessoas comecem a passar mal, sentir palpitações, tremores e suor frio inutilmente! Até porque não estou devidamente preparada (e nunca estarei, oras!) para exercer meu papel de Capitu no enterro de Escobar (desliguem a TV e vão ler o livro)!

Ainda bem - e viva o inventor do celular! - que telefones existem para isso, que a TIM pega nos lugares mais inóspitos e que o ex-futuro-defunto disse "Alô" com a voz mais viva que alguém poderia ter. Mal entendido desfeito, deixe-me ir à praia com Bentinho, ooops, o Capitão, para aproveitar o nosso feriado inventado antes do sábado de IMIP e quartel...

Bom findi!

"No enterro, Capitu olha tão fixamente e de tal forma para Escobar morto que Bento fica abalado e quase não consegue pronunciar o discurso fúnebre..." (Dom Casmurro - Machado de Assis)

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

UMA MELANCIA QUE DÁ TRABALHO PRA SAIR...


Quando uma amiga de infância, que estudou com você desde a 5ª série, que ia contigo pras festas da turma, se casa, vai morar na França e de repente manda uma foto com um barrigão enooorme de grávida, o que você sente?

Estou ficando velha?

Será qua daqui a pouco quem estará com esse barrigão serei eu???

Espero que esse evento demore os 5 anos previstos, porque filho dá muito trabalho, ocupa muito o tempo e gasta muito o dinheiro, e esses 2 itens estão em falta no momento...

Mas parabéns às mamães da semana!

terça-feira, 6 de novembro de 2007

PÁRA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!!!


Uma dor de cabeça incrivelmente sem fim...

Um sono inexplicável, mas impossível de não ser notado...

Uma casa pedindo para ser limpa...

Assuntos para serem estudados em cima da mesa...

Residentes de Saúde Coletiva querendo que eu me empolgue com coisas que não fazem sentido algum para mim...

O Capitão sem tempo para fazer feira e as coisas se acabando dentro de casa (não tem nem o básico!)...

Dá para parar dois minutos para eu relaxar e voltar depois?

Dá licença...

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

DE REPENTE DO RISO FEZ-SE O PRANTO...


Eu confesso: tenho uma dificuldade enoooorme de lidar com o fim das coisas. E nem precisam ser minhas coisas, podem ser as coisas alheias. Acabou? Então começa o meu doloroso processo de desapego.

Eu me apego às pessoas, como também ao que elas representam para mim, aos desejos (mesmo os de adolescência), ao papel que embrulhava o primeiro presente dado pelo Capitão (há 10 anos atrás...), ao poema que papai escreveu para mim em 1993, às fotos publicadas em álbuns de Orkut (e ao que as pessoas sentiam no momento em que elas eram tiradas), e etc, etc, etc. Eu sei que coisas (assim como sentimentos) começam e terminam todos os dias, porque o mundo é cíclico e - como já escrevi aqui antes - a pessoa que está ao seu lado hoje não é necessariamente a melhor dentre um universo de mais de 6 bilhões de seres da Terra. Mais dia, menos dia, uma mudança de emprego aqui, uma viagem ali, você pode acabar descobrindo coisas (e pessoas) bem mais interessantes, e aí é hora de dar um giro de 180º na vida e começar a andar para outro lado. Isso acontece, é fato, não é nada de outro mundo. Mas esse negócio de deixar para trás velhos sonhos, puxa, eu não consigo entender...

Tá bom, grandes mudanças não acontecem assim tão de repente: elas vêm sendo plantadas, regadas, cultivadas durante muito tempo antes de explodirem na nossa cara. E quando explodem, aí não têm mais jeito. Simplesmente não dá para continuar na mesma rotina, como se nada tivesse acontecido. A necessidade de mudar fica lá incomodando, impedindo a paz e a tranqüilidade do dia-a-dia. Tem que tomar decisões mesmo, e priu! Vai doer? Sempre acaba doendo para alguém. Mas, paciência! Toda dor passa, toda dor se esquece. Magoa, sangra, fere, mas passa como tudo na vida. Cicatriza. Vira só lembrança. Só que demora...

Mas aí eu penso: puxa, como é que pode? Para onde foi tudo aquilo que existia antes? Parecia tão sólido, tão bem construído!... Parecia que não iria ter fim! Agora está tudo aí, cacos espalhados no chão, nem sombra do que era, agora parece que nunca aconteceu, sempre foi assim. E eu tenho dificuldade de absorver mudanças tão drásticas em tão pouco tempo. Sofro como se fosse o fim das minhas coisas, sinto um vazio como se fosse a falta de algo dentro de mim. Passo o dia lamentando e tentando buscar explicações para o que não se explica: só não se acaba o que nunca se começa, e o importante é saber continuar além disso.

O tempo passa e as coisas se assentam, todas as mudanças terminam por fazer parte do dia-a-dia, deixam de ser mudanças e viram rotina outra vez. A gente se acostuma e o espanto desaparece. Mais dia, menos dia, podemos até concluir que foi melhor assim. Esquece até do sonho dos encontros na varanda do apartamento branco, dos meninos correndo, das calabresas assando na cozinha... Paciência, e bem-vindo à realidade.

Tem nada não, um dia eu me conformo...

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

COMO ERA PRA TER SIDO MESMO????


Pensamentos soltos que invadem a cabeça de alguém doente, com febre, tosse e dores pelo corpo, que veio se refugiar na casa da mãe porque não agüentava mais ficar sozinha...

Talvez eu tenha me apressado e devesse ter me casado apenas após a faculdade. Ou melhor, apenas após ganhar dinheiro. Para morar no apartamento branco dos meus sonhos (por que ele tinha que ser branco? Ora, porque tinha, e deixem-me continuar!), com a cozinha arejada dos meus sonhos, uma mesa de mármore pequena, apenas para as pequenas refeições, e uma área de serviço onde coubessem prateleiras de acrílico. E uma varanda para colocar rede. E jarros de plantas.

É muito? Pode ser, mas eu vou ser médica, e isso é possível. Sim, concordo, não estou estudando como deveria, mas levem em consideração que estou doente e que essa semana, de fato, já está perdida. A verdade, amigos, é que não sou uma dona-de-casa, não nasci para isso, não foi para esse fim que Deus me criou. Há pessoas que adoram cuidar dos detalhezinhos de suas casas, da cor das cortinas, da mesa posta para o jantar, do almoço de domingo... Eu não. Eu, se pudesse, pagaria para alguém resolver isso por mim, e com certeza pagarei um dia, quando vier o Bom Tempo. Não me apetece passar a manhã pensando no que fazer para o almoço, nem a tarde pensando na janta: eu quero é chegar em casa e comer. Não me apetece limpar privadas (apetece a alguém???), nem lavar o ralo do banheiro. Porque esse não é o meu dom, entendem? Eu sei que lavar banheiro não é dom de ninguém, mas estou falando em ter prazer nos serviços domésticos (e eu conheço gente que tem!), coisa que não existe em mim! Agora mesmo, estou aqui no meu antigo quarto, pensando em como era bem mais fácil administrá-lo, e lembrando que minha casa está cheia de poeira e com pratos para lavar (deixe-me lembrá-los novamente que estou doente, não posso ficar colocando minha mão na água, e além do mais a febre causa um mal-estar tremendo...).

Bem...

As pessoas têm direito de não gostar de serviços domésticos, como eu, mas essas pessoas então têm que trabalhar duro para juntarem dinheiro e pagarem a alguém que esteja disposto a fazer o trabalho pesado. Então pessoas como eu não podem se casar antes de ter esse dinheiro, porque fatalmente terão de virar donas-de-casa e passar seus dias entre a máquina de lavar roupa e a pia de pratos. Principalmente se o felizardo escolhido também for totalmente desprovido de atributos financeiros, o que obrigará o casal a viver no mais completo liseu, e transformará as noites de sábado num verdadeiro tédio!!!

Ufa! É bom desabafar por aqui...

Eu nunca quis morar no Chico, nunca quis cuidar de casa (pensei que meu marido fosse me ajudar, mas isso eu nem comento...), não sei cozinhar (nem gosto!), não sei passar ferro e não tenho dinheiro. É fato: talvez eu tenha errado mesmo. Eu e o Capitão nos divertíamos mais quando éramos solteiros e eu não precisava esquentar comida pra ele à noite. A história da galinha dos ovos de ouro é verdadeira: a gente tem um ovo de ouro por dia durante o namoro, mas de repente queremos ter tudo de uma vez só, casamos, abrimos a galinha e descobrimos que não há mais ovo nenhum! Há o dia-a-dia dessa solidão tremenda, de fazer as três refeições sozinha (porque o Capitão tem hora de ir ao quartel, mas não tem hora de chegar...), dia-a-dia de passar pano nos móveis hoje e ver tudo sujo de novo amanhã (porque o apartamento resolve ser na avenida...), lavar pratos, guardar pratos e ver a pia encher de pratos outra vez... E eu queria mesmo era ter meu escritório (como papai dizia...), com uma mesa grande, para eu estudar meus assuntos da prova de residência sem ter que me preocupar com mais nada...

Alguma coisa está errada nesses sentimentos, e pode ser porque amanhã seria o aniversário de 72 anos de papai, e logo no dia seguinte é dia de Finados, e eu vou passar a manhã toda acampada no cemitério com mamãe, lembrando... Pode ser porque esse quarto e essa casa me lembram ele, e querer voltar atrás é quase como querer que ele volte pra gente de novo... Pode ser porque eu estou sozinha, e isso mete medo em qualquer um... Enfim, tem alguma coisa errada por aqui.

Enfim...

domingo, 28 de outubro de 2007

PRO DIA NASCER FELIZ...


Já reparou que a vida dá voltas? Total lugar-comum dizer isso, mas certos recados de Orkut levam invariavelmente à essa conclusão. São 22h45 de um domingo e eu estou aqui, esperando a máquina terminar de lavar as roupas brancas que o Capitão usará no trabalho amanhã, enquanto ele dorme inocentemente... Mas se a mulher-esposa-escrava que vos tecla não tivesse lembrado que ele não tem sequer uma roupa branca limpa, pense na confusão amanhã cedo!...

Mas eu estava falando das voltas que a vida dá. E como a gente se engana por causa desses arrodeios! Quantas vezes você já teve certeza quase absoluta de que queria uma coisa e seria capaz de querê-la pelo resto da vida, e, depois de um tempo, percebeu que não queria mais? Quantas vezes você achou que um determinado caminho era o mais correto a ser seguido, para depois concluir que o melhor seria seguir por outro?

Por causa das voltas da vida, a gente pode acabar casando com alguém totalmente novo, e não com aquela pessoa que esteve conosco durante anos. Ou a gente pode casar justamente com o grande amor de sempre, embora por algum momento essa idéia tenha parecido absurda e outras pessoas tenham temporariamente parecido mais interessantes. E por causa disso mesmo a gente acabe ficando amiga da última pessoa que fazia parte da lista de prováveis amizades...

Mas o melhor das voltas da vida é perceber - mesmo que a duras penas - que ela, a Vida, está sempre certa. Nós é que muitas vezes confundimos tudo. Mas a vida sabe exatamente como as coisas devem caminhar, é só deixá-la seguir seu curso. Porque no final, quando ela tiver arrumado toda a casa e cada coisa estiver no seu devido lugar, vamos olhar pra trás e poder afirmar com a mais profunda certeza: que bom que nada saiu do jeito que eu queria, porque sem dúvida eu estou BEM MAIS FELIZ assim!

Boa semana a todos!

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

HIPNOSE


Olhe fixamente para este post e repita comigo:

HOJE EU VOU ESTUDAR

HOJE EU VOU ESTUDAR

HOJE EU VOU ESTUDAR

Vamos lá, ajudem-me! Preciso de ânimo! A prova de Residência daqui a pouco está aí!

Será que hipnose resolve meu problema de preguiça sem fim?

quinta-feira, 18 de outubro de 2007

A ENGOLIDORA DE SAPOS!


Sapos: é isso que estagiários têm que engolir enquanto estão assim, no limbo, entre o "ser estudante" e o "ser profissional". Hoje, dia do médico, eu fui chamada de "rebelde" e "irresponsável" por uma médica que nunca me viu mais gorda. Culpa de quem? Culpa das Agentes Comunitárias de Saúde, ou melhor, uma parte delas (pra não ser injusta), que fizeram inferno. Mas ACS são assim, elas têm um complexo de inferioridade terrível. Aliás, já que este Veleiro é meu e os Direitos Humanos não podem me prender, vou generalizar e dizer que pobre tem complexo de inferioridade. Achar que todo estudante de medicina é burguês metido e preconceituoso é mania de pobre, que estudou em escola estadual a vida toda e nunca vai ter condições de vestir uma bata e atender um paciente! Pronto, falei!

Por causa disso, o meu rodízio de Saúde Coletiva - que tradicionalmente é o mais light do internato - está prestes a se tornar mais pesado que o de Cirurgia. A nobre doutora citada anteriormente vai querer agora transformar as 9 semanas que ainda temos por lá em um purgatório, para expiarmos o nosso grave pecado de não querer trabalhar com comunidades (já que elas estão envolvidas com esse trabalho desde 1994...). Mas olhe, eu estou uma pessoa muito paz e amor. Se esta médica tivesse dito a metade do que disse a mim há uns 10 anos atrás, teria levado no mínimo um "dobre a língua e vá se danar!". Mas eu estou zen. Por sinal, até admito que as minhas 2 colegas de rodízio foram um tanto desrespeitosas, afinal, ela pode até ser uma bruxa gorda e feia, mas naquele ambiente é ela quem exerce a autoridade, e nós obedecemos. Mas confesso que fiquei muito zangada por ter sido chamada de "irresponsável", de "estudante que não quer nada com a vida". Porque tenho um nome a zelar! :D

Enfim, a partir de segunda entrarei muda e sairei calada daquele PSF. É quase como decretar que não quero amizade com ninguém de lá, apenas cumprir meu papel (mesmo que ele seja quase inexistente) e conseguir uma nota boa no final. Depois disso, a comunidade de Vila São Miguel, com todas as suas ACS analfabetas, médicas gordas, dentistas bregas e moradores traficantes de drogas podem explodir, morrerem todos de diarréia ou de tiro da polícia, que pra mim não vai fazer diferença!

Tomei uma coca, mas nem adiantou... Ainda estou com raiva!

E estudar para uma prova de Residência que eu só vou fazer daqui a 2 anos e meio? Quem tem saco para passar tanto tempo assim estudando sozinha? Pelamordedeus...

Sorte de hoje no Orkut: O tempo é o senhor da razão

Então tá...




quarta-feira, 17 de outubro de 2007

LÊ, LÊ, LÊ, LÊ...

Em primeiríssimo lugar: eu odeio "Can´t live", aquela música grudenta que voltou a tocar nas rádios de 5 em 5 minutos por causa da igualmente grudenta novela das 8 (que acabou, graças a Deus!). Mas esse comentário é só um desabafo, não tem nada a ver com o post de hoje... :D
NÃO RECEBI NADA DO QUE PEDI
Pedi ao Senhor Jesus para ser forte a fim de executar projetos grandiosos,
E Ele me fez fraco para conservar-me humilde...
Pedi ao Senhor Jesus que me desse saúde para realizar grandes empreendimentos,
E Ele me permitiu a doença, para compreendê-Lo melhor;
Pedi ao Senhor Jesus riqueza, para tudo possuir,
E Ele me permitiu a pobreza, para não ser egoísta;
Pedi ao Senhor Jesus para que os homens precisassem de mim,
E Ele me deu humildade para d´Ele precisar;
Pedi ao Senhor Jesus tudo para gozar a vida,
E Ele me deu a vida para gozar de tudo;
Senhor não recebi nada do que pedi, mas Senhor, me deste tudo o que precisava...
e, quase contra a minha vontade.
As preces que não fiz foram ouvidas.
Louvado seja ó meu Deus!
entre todos os homens ninguém tem mais do que eu!
Quando estiverem em casa, fazendo serviços domésticos, sem carro, sem dinheiro para escovar o cabelo toda semana etc, etc, etc, lembrem-se disso! kkkkkkkkkkk

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

ESTÁ FALTANDO ELE...



Naquela mesa ele sentava sempre

E me dizia sempre o que é viver melhor

Naquela mesa ele contava estórias

E hoje na memória eu guardo e sei de cor

Naquela mesa ele juntava a gente

E contava contente o que fez de manhã

E nos seus olhos era tanto brilho

Que mais que seu filho, eu fiquei seu fã

Eu não sabia que doia tanto

Uma mesa no canto, uma casa e um jardim

Se eu soubesse quanto dói a vida

Essa dor tão doída não doía assim

Agora resta uma mesa na sala

E hoje ninguém mais fala no seu bandolim

Naquela mesa tá faltando ele

E a saudade dele tá doendo em mim...

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

TÉO


"O mais altruísta dos amigos que um homem pode ter neste mundo egoísta, aquele que nunca o abandona e nunca mostra ingratidão ou deslealdade, é o cão.

Senhores Jurados, o cão permanece com o seu dono na prosperidade e na pobreza, na saúde e na doença. Ele dormirá no chão frio, onde os ventos invernais sopram e a neve se lança impetuosamente. Quando só ele estiver ao lado de seu dono, ele beijará a mão que não tem alimento a oferecer, ele lamberá as feridas e as dores que aparecem nos encontros com a violência do mundo. Ele guarda o sono de seu pobre dono como se fosse um príncipe. Quando todos os amigos o abandonarem, o cão permanecerá. Quando a riqueza desaparece e a reputação se despedaça, ele é constante em seu amor como o Sol na sua jornada através do firmamento. Se a fortuna arrasta o dono para o exílio, o desamparo e o desabrigo, o cão fiel pede o privilégio maior de acompanhá-lo, para protegê-lo contra o perigo, para lutar contra seus inimigos. E quando a última cena se apresenta, a morte o leva em seus braços e seu corpo é deixado na laje fria, não importa que todos os seus amigos sigam seu caminho: lá ao lado de sua sepultura se encontrará seu nobre cão, a cabeça entre as patas, os olhos tristes, mas em atenta observação, fé e confiança mesmo à morte ".


Este tributo foi apresentado ao júri pelo ex-senador George G. Vest (então advogado), que representou o proprietário de um cão morto a tiros, propositalmente, pelo vizinho. O fato ocorreu há um século na cidade de Warrensburg, Missouri, nos Estados Unidos da América. O senador ganhou o caso e hoje existe uma estátua do cão na cidade e seu discurso está inscrito na entrada do tribunal de justiça da cidade.


O post de hoje é dedicado a um dos maiores amores da minha vida, que fez aniversário ontem e está doente, sob suspeita de ser portador de um tumor maligno: Téo. Fica aqui o pedido para que Deus tenha misericórdia e não permita que meu coraçãozinho sofra novamente a dor de perder um membro da família, pela mesma doença, em tão pouco tempo... :(

sábado, 29 de setembro de 2007

VIVE LA COCA-COLA! VIVE LA VIE!


Sábado de sol bonito: hoje é meu aniversário. Fora todo cansaço crônico que estou sentindo, fora o celular que se desliga sozinho, fora a absoluta falta de dinheiro, hoje é um dia importante. Hoje eu completo 25 anos ou 1/4 DE SÉCULO!!!

Não fui ao IMIP colocar no mundo crianças que fariam aniversário no mesmo dia que eu. Isso me soou poético há alguns dias atrás, mas hoje, cansada, vindo de uma semana cheia de altos e baixos, passar o sábado de sol bonito do meu aniversário trancada na sala de parto do IMIP pareceu um grande pesadelo, por mais que eu goste bastante daqueles bebês chorosos. Faltei, vou pagar em mais um feriado, esgotei minha cota de faltas (embora essa seja a primeira não justificada, as outras duas foram a do enterro de papai e a do meu casamento, mas a coordenadora do estágio - uma mulher infeliz na vida - não aceitou as justificativas), mas não queria de jeito nenhum passar o 29 de setembro ocupada. Vamos trabalhar no feriado, então.

Aniversário - principalmente uma idade cabalística feito essa, 1/4 de século - deve servir para repensar toda a vida, traçar metas, corrigir erros... Neste momento em que o sol está resolvendo ir embora (como assim???), penso na total falta de ânimo que estou sentindo (incomum, porque meu aniversário sempre foi o dia mais feliz do ano para mim!), no cansaço crônico que me impede de estudar (porque eu queria estudar, de verdade...) e dá vontade de tirar férias dessa rotina de dona-de-casa-estagiária-lisa. Falando nisso, apenas uma dica para as moças casadoiras de plantão: o segredo para um casamento feliz e duradouro é uma casa com banheiros separados. Basta isso. Porque dividir o banheiro com um homem é uma experiência de estresse diário, vocês não têm noção... Mas enfim, esse é tema para outro post.

Alguém tem uma coca-cola aí? Eu sei que são pouco mais de 9 da manhã, mas estou precisando para levantar meu astral...

Bom...

Liguem para mim vocês que têm consideração para com a minha pessoa. Eu ficarei feliz.

Tchau.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

SEM PACIÊNCIA...


Estou cansada do Otávio de Freitas... Preciso sair de lá o mais rápido possível , antes que enlouqueça...

Faltam 2 dias para o meu aniversário (isso é bom!).

Não queria ir ao plantão hoje porque O-D-E-I-O emergência de cirurgia geral.

Estou doente.

Pronto, atualizei o Veleiro.

FOTO: Eu, em Gravatá.

domingo, 16 de setembro de 2007

O FIM QUE IGUALA TODOS NÓS...


A evolução do domingo de manhã hoje no Otávio de Freitas foi marcada pela notícia da morte de um dos doutorandos, de madrugada, num acidente de carro. Só pra esclarecer, doutorando é justamente o que eu sou, ou seja, estudante dos 2 últimos anos de medicina. O rapaz em questão era uma turma na minha frente, e iria se formar em dezembro do ano que vem.

Nunca fui a melhor amiga dele, é verdade. Discordamos fortemente de determinados pontos em várias ocasiões. Mas o fato é que era um rapaz de 23 anos, quase médico, com um futuro brilhante pela frente, que esteve com a gente durante esses últimos 2 meses (inclusive na última sexta) e que de repente morreu, vítima da combinação perigosa de balada, bebida e velocidade. Aliás, pelo jeito dele, iria acabar assim mais cedo ou mais tarde... Lamento muito, demais, que ele tenha morrido tão jovem, antes de aprender tanta coisa, antes de virar uma pessoa séria e responsável. Porque no fundo ele era uma boa pessoa, só não tinha ainda desenvolvido maturidade suficiente. Coloquei seu nome nas intenções da missa de hoje. Só o que posso fazer diante do que aconteceu...

Estava olhando as fotos da última festa da minha turma (à qual eu não compareci) e pensando que realmente eu devo ser uma pessoa chata... Parece que todo mundo foi, menos eu. Mas vejam só, iria me custar 30 reais (minha cota e a do Capitão), fora o táxi (porque somos um casal liso), então some aí uns 50 reais só pra olhar a cara daquele povo! E eu nem vou muito com a cara deles... Sem falar que eu tinha estágio no IMIP no dia seguinte, de modo que mesmo após muitos apelos não me senti entusiasmada para ir. Ultimamente estou mais interessada em fazer esses programas de velho, ir à praia, comer cachorro quente, assistir DVD em casa, dormir... E a questão financeira conta muito! Mas não adianta, talvez eu seja só uma pessoa um tanto chatinha mesmo...

Eu queria simplesmente pular essa semana no Otávio. Por causa da morte de Thiago foi feita uma nova escala e o resultado é que estou no bloco cirúrgico todos os dias da semana. Isso significa trabalho dobrado, sem direito a tarde livre, e tendo que ficar horas em pé assistindo cirurgias sem graça... Fora o clima horrível que vai estar naquela enfermaria amanhã: todo mundo com cara de choro, o acidente sendo o assunto principal de qualquer conversa. Como diz minha madrinha Mônica: afff!...

O Capitão de serviço e eu dormindo na casa de mamãe outra vez... Mamãe matando as saudades de mandar em mim e dizer a que horas eu tenho que dormir... Ô, paciência...

Enfim, boa semana a todos.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

FRASES SOLTAS


Dúvidas em relação à medicina...

O fato de me sentir mal na enfermaria, junto aos pacientes ictéricos, com câncer, doentes...

Desejo de não precisar dar plantão e nem trabalhar no feriado...

Uma tosse que me acompanha há mais de uma semana...

Cansada de não ter dinheiro nunca...

O Capitão de serviço hoje...

Muita saudade de papai...

TPM de uma menstruação que não chegou (e todas as complicações que podem vir com esse fato)...

O ródízio de cirurgia que não termina...

E essa vidinha mais ou menos...

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

VELEIRO PIRATA E A INTOLERÂNCIA ALHEIA...


Veleiro Pirata agora! O lado negro da força!!! kkkkkkkkk

Propaganda da internet:

30.000 homens bonitos! Acesse www.homensparavoce.com

Essa foi óóóótima! :D

Atualizando o Veleiro, mas sem muita vontade... Feriado e eu tendo que levantar às 5 da manhã para dar plantão no IMIP. Fruto da intolerância alheia. Estava pagando a falta do dia do enterro de papai. Agora respondam: em que lugar do mundo essa falta não seria justificada? Em que lugar do mundo eu não teria sido dispensada do plantão para ir ao cemitério cumprir uma das mais dolorosas tarefas da minha vida? Lugar nenhum, apenas lá no IMIP, na cabeça doida de Ozanil, coordenadora de Neonatologia. Um dia inteiro perdido, sem fazer bulhufas, conversando água no Centro Obstétrico. E amanhã tenho plantão de novo. E domingo tenho que evoluir aqueles pacientes ictéricos e cancerosos do Otávio de Freitas. Pronto, meu feriado resume-se a isso.

Cansei do Otávio. Os novos residentes de lá são terríveis. 3 são indiferentes à sua presença e o outro presta atenção demais. Ele deve ter a "Síndrome do Pinto Pequeno" de que fala minha madrinha Luciana. Quer se mostrar mais inteligente e poderoso no grito. Tipo "eu sou o residente em cirurgia geral e vocês são os pobres doutorandos que me devem temor e obediência!". Em geral passamos o dia inteiro sem fazer absolutamente nada, apenas porque ele quer que a gente saia de lá às 5 da tarde. Não deve ter mais o que se preocupar na vida, exceto tornar a nossa existência dentro daquele hospital a cada dia mais difícil. Resultado: a próxima será a 7ª semana de um rodízio de 10, e eu não tenho mais a menor paciência...

Não gosto de lidar com adultos com câncer inoperável no pâncreas, estômago, intestino... Pessoas com 30, 40 anos, pais de família, que de repente se vêem com uma doença incurável e fatal. Aquela enfermaria me faz mal. O mesmo não acontece com os plantões de Neo. Adoro ver bebês nascendo. Em geral estão saudáveis, rosados, chorando. A materialização da esperança sendo renovada todos os dias. Gosto muito de bebês. O único problema em fazer Pediatria é passar a vida inteira em plantões...

Quero ser médica (eu acho, mas também agora não vou voltar atrás...), mas não quero viver dormindo fora de casa ou trabalhando 36 horas sem parar num final de semana. Isso tudo é por dinheiro? Pessoas, leiam o depoimento de alguém cujo sonho sempre foi morar na Avenida Boa Viagem: cansei disso, agora eu quero vida social, amigos, família. Defintivamente não quero trabalhar no final de semana, nem à noite, nem nos feriados. E se isso significa ter menos dinheiro, paciência. Casei e estou morando no Chico, tenho 25 anos e não tenho nem carro e nem salário, no momento minha carteira possui 15 reais para passar o resto do mês (que acabou de começar...). A vida é assim. Tenho certeza de que não vou estranhar se o futuro não me reservar grandes mudanças no setor financeiro...

A conversa de hoje no COB era sobre os planos de viagem de uma acadêmica, filha de pais médicos, que pretende ir pela 3ª vez à Disney, depois fazer residência no Canadá (onde já passou 3 meses) e voltar a visitar a Europa. E uma médica mostrando as fotos do aniversário de 1 ano da filhinha, que deve ter sido mais caro que o meu casamento inteiro. E por último a outra médica que não sabia ir de ônibus daqui para Gravatá. Ô, Senhor, tem piedade...

Meu mundo é o de quem tem que acordar às 5 para lavar os pratos que ficaram da janta e estender as roupas lavadas durante à noite, porque não tem empregada em casa pra fazer isso. Depois pega UR-05 via IMIP, almoça uma coxinha com Coca para economizar dinheiro, pega um ônibus com menino cheirando cola pendurado na porta e tem que fazer serviços domésticos novamente quando chega em casa. Não estou dizendo que isso é bonito ou que gosto dessa rotina. Mas meu mundo é esse. E eu quero melhorar de vida, quero ter meu carro, morar numa casa melhor, mas não às custas das minhas noites de sono ou meus domingos na praia. Se for pra ser assim, então fiquemos no Chico, andando de ônibus e almoçando coxinha, eu prefiro.

Muito sono agora. Vou dormir, que amanhã o dia é longo outra vez...


segunda-feira, 27 de agosto de 2007

COISAS QUE APRENDI COM O CASAMENTO


Estou aprendendo várias coisas com esse casamento. Administrar casa e marido é uma delas. Administrar marido, sim senhor! Homens são seres capazes de transformar o lugar onde vivem em algo bagunçado e sujo. Deve ser resquício das cavernas... Em geral as mulheres têm um senso de organização e limpeza muito mais aguçado que o deles. O Capitão na versão marido não é diferente.

Por isso que Deus designou a função de administradora do lar à mulher. Não, essa não é uma visão machista das coisas! É muito difícil haver um homem organizado, que perceba a sutil diferença entre um banheiro quase limpo e um banheiro sujo, que se lembre de jogar fora as coisas guardadas há muito tempo na geladeira (porque elas apodrecem...), que saibam forrar direito uma cama... A mulher tem um jeitinho especial de cuidar dessas coisas. A gente nem sabe que tem, mas tem...

Estou falando isso porque nunca fui uma pessoa interessada em serviços domésticos. Mellina tem muito mais dom para essas coisas do que eu, e certamente quando casar vai estar mais preparada. Mas acontece que eu descobri que na sua própria casa tudo muda de figura. A casa de mamãe nunca foi um exemplo de arrumação (minha mãe é a maior guarda-tralhas da paróquia), mas sempre está limpinha, geladeira preenchida por comida, mesa posta. Meu apartamento, por outro lado, não estava seguindo esse padrão. E a culpa disso é do rodízio de cirurgia! Porque estou saindo de casa às 6 e meia da manhã de domingo a domingo, e chegando morta de cansada, sempre tendo que resolver problemas mais urgentes. Estava delegando as coisas ao Capitão, e esse também foi um erro. Não é culpa dele! A casa de Amilson é um assunto que eu nem quero comentar... Se minha sogra estivesse viva talvez fosse diferente, mas homens tomando conta nunca daria certo mesmo. Assim, Amilson não tem referência nenhuma de limpeza doméstica como eu tenho. Paciência...

Hoje, segunda-feira, resolvi faltar no hospital e ficar em casa fazendo serviço de piniqueira. Por vontade própria, por necessidade. E foi a melhor coisa que fiz. Vocês não têm noção de quanta coisa meu marido trouxe do quartel e colocou na geladeira, há um bocado de tempo, e não usou (imaginem como ela estava limpinha...). Mas, enfim, assumi meu posto de dona-de-casa, dei meu jeito e está tudo no lugar agora.

Procurarei arranjar tempo para esta faxina, porque não dá para empurrar certas responsabilidades...

Beijo a todos!
P.S.: Eu na lua-de-mel, no Cruzeiro, em Gravatá, há um mês atrás!

terça-feira, 21 de agosto de 2007

PERFEITO!


FELICIDADE: Amor e Casamento

Francisco Hirota

A principal esperança do Homem é ser FELIZ; não é apenas ter mais velocidade, mais eficiência, mais globalização ou mesmo mais dinheiro, o que queremos é: Mais felicidade! Creio que poucos negarão que esta é a principal META do ser humano. E nós fomos feitos para a felicidade e a procuramos, necessariamente.
O nosso desafio é encontrá-la onde ela estiver e não onde queremos que esteja. A felicidade geralmente é encontrada nos lugares e nas pessoas mais simples que jamais imaginamos. Na verdade, a felicidade perfeita só pode ser encontrada de modo real e permanente em DEUS: Fonte de felicidade eterna!!
E dentre todas as coisas humanas, o CASAMENTO é o que promete mais FELICIDADE, mais chances de se exercer e encontrar nele profundidade para a VIDA.



Adorei esse texto!

Concordo com ele!

Estou uma esposa feliz! :D

domingo, 12 de agosto de 2007

FELIZ DIA DOS PAIS!


Como vocês puderam perceber, a minha passagem pelo Veleiro está sendo semanal, apenas no dia em que venho descansar na casa de mamãe... Na verdade, passadas as pompas de vestido branco, buquê e lua-de-mel no interior, essa história de casamento começou a ficar pesada: parece que a realidade enfim - e infelizmente - bateu à nossa porta...

Não que eu pensasse que a vida a dois se resumia a dormir de conchinha - kkkkkkkk adorei essa, Simone! - mas não havia atentado para as responsabilidades domésticas que estavam incluídas no pacote. Responsabilidades que, para ser sincera, eu nunca tive enquanto mulher solteira. Óbvio que lavava pratos, varria uma casa, mas administrar uma cozinha não era minha atribuição. Saber o que está faltando e o que está sobrando na geladeira, o que vamos fazer para o jantar, arrumar tudo antes de dormir (essa é a pior parte!), além de separar roupas para colocar na máquina, recolher as roupas do varal, isso não estava no meu sonho de casamento...

É, podem rir (eu sei que estão rindo), não me importo! Estou sendo sincera. Acontece que em apenas um mês muitas reviravoltas ocorreram na minha vida. Papai morreu, eu casei e fui morar num lugar diferente, com um pessoa de hábitos totalmente diferentes, assumindo responsabilidades novas para mim, além do internato em Cirurgia Geral, que é um pesadelo! 3 coisas difíceis num período muito curto! Meu sistema de adaptação não conseguiu dar conta!

Porque o rodízio de Cirurgia é assim: chega-se antes das 7 da manhã no hospital e vai fazer a evolução dos pacientes. Isso significa conversar com eles, saber como foi a noite, anotar no prontuário, examinar ferida cirúrgica (caso seja pós-operatório), aferir pressão etc etc. São 5 pacientes por pessoa. Se houver cirurgia, eu entro (para olhar e me estressar, porque detesto cirurgia!!!). Durante o dia, resgatar todos os resultados de exames dos paciente e anotar no prontuário. À tarde, repassar todos os seus pacientes para o residente responsável, elaborar todas as condutas e solicitar novos exames. Fora isso, têm as visitas da enfermaria, com todos os médicos olhando cada um dos pacientes internados, e os seminários. Com isso, eu chego em casa em casa lá pras 5 e meia da tarde, morta de cansada. Aliás, cabe um adendo: o trabalho não é extremamente cansativo (entendam, é cansativo, mas não extremamente), mas é uma área que eu não gosto (cirurgia geral, sangue, paciente amarelo, com dor, morrendo...), e essa talvez seja a explicação para tudo parecer tão maçante. Papai morreu numa enfermaria de cirurgia geral, parecida com a que eu estou estagiando. Acho que juntando tudo meu psicológico pediu socorro...

O resultado desse desequilíbrio pessoal foi uma séria crise de dor de estômago, vômitos e febre, uma entrada na emergência do Hospital Memorial e falta ao estágio na sexta. Pois é, fiquei doente. Segundo o médico, possível gastrite nervosa. Proibida de comer bobagens e tomar coca-cola (ou seja, proibida de ser feliz...). O Capitão de serviço no sábado, vim pedir arrego na casa de mamãe. Aquela comidinha bem feita, a velha caminha de solteira onde dormi durante 17 anos, o carinho de Téo... Pronto, acordei bem melhor, sem dor, sem estresse. Mamãe vai me ajudar a preparar um cardápio prático para a semana, de modo que minha vida fique mais organizada. E eu estipulei que vou estudar apenas uma hora e meia por dia e já me darei por satisfeita (não que eu estivesse estudando mais, apenas minha consciência ficava cobrando o impossível). Assim vamos nos adaptando...

Últimos recados:

- Escolhi 106 fotos para o meu álbum de casamento! kkkkkkk Foi mesmo, exagerei de verdade! Mas é que todas ficaram lindas e esse foi um momento único! Vou gastar tudo o que tenho, mas vou gastar com gosto! :D

- Hoje é o primeiro Dia dos Pais sem papai. Vou com mamãe e Mellina ao cemitério daqui a pouco, ficar lá um pouquinho com ele. Não vou comentar porque não quero terminar esse post de maneira triste. O amor que sentimos por papai - e que sempre sentiremos, não importa onde ele esteja - é o que vai eternamente mantê-lo vivo em nossos corações.
- Foto: eu, o buquê e papai...

Senhor !
Abençoa todos aqueles que têm a difícil tarefa de educar os filhos.
Dá-lhes coragem, compreensão e sabedoria.
Dá-lhes alegria e fé para que possam ser aqueles amigos que a juventude espera;
capazes de ouvir seus anseios sem recriminações;
capazes de aprender a mensagem de seus corações, sem confundi-la com a sua emotividade;
capazes de orientar a sua inteligência num justo termo,
sem muitas palavras vazias de significação.
Senhor, se todos os Pais do mundo não forem abençoados,
o mundo será estéril e os pequenos, rejeitados;
não mais acharemos quem queira a responsabilidade de ser pai;
não haverá mais amor;
e o riso das crianças não será mais ouvido.
E a terra nada mais produzirá.
Não haverá estímulo, não haverá vida;
E o egoísmo levará o homem a exterminar seu irmão, pois não haverá a simplicidade de crianças para fazê-lo:
- pensar na pureza de um gesto;
- na responsabilidade de uma vida que depende do outro;
- na fraternidade humana de todas as criaturas.
Senhor !
Que todos os Pais do mundo saibam ser verdadeiramente Pais, amando, compreendendo e perdoando...

O MEU PAI SOUBE!

domingo, 5 de agosto de 2007

PAUSA PARA O DESCANSO


Menino, que semana dos infernos foi essa? Pelo amor de Deus!!! Eu só me lembro de acordar às 5 da manhã diariamente, passar o dia inteiro no Otávio de Freitas em pé, chegando em casa e indo dormir antes das 9 da noite!!! O Capitão teve que arranjar uma dose extra de paciência!

Ontem eu fui ao IMIP e hoje tive que evoluir pacientes novamente no Otávio... Ou seja, final de semana furado... Mas quanto ao cansaço acho que enfim estou me acostumando com o ritmo...

Carol, também estou morreeeeendo de saudades das nossas fofocas! :D

O Capitão está de serviço hoje e vou dormir na casa de mamãe. Mas nada de folga, tenho que preparar o seminário que vou apresentar na terça!

Virei escrava da medicina de novo!!!!

Quando é que eu vou ganhar dinheiro com isso???

OBS: Mais uma foto! :D

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

EU VOS DECLARO MARIDO E MULHER!!!


E olha eu aqui! Agora na versão Esposa! kkkkkkkkk

Ainda estou me adaptando a absolutamente tudo, até mesmo a esse computador que o Capitão trouxe aqui para casa! Não sei mexer em nada dele!

Aliás, falando em Capitão, coisa mais linda o comentário que ele deixou no post anterior... Tão romântico!... :D

O meu casamento foi exatamente do jeito que eu quis, mesmo que nada nele tenha saído conforme o planejado... Porque Deus sabe o que faz, e sempre soube quando juntou o caminho do Capitão com o meu (mesmo que nós dois, em algum momento, tenhamos pensado o contrário). Eu estava muito feliz e à vontade, na capela que freqüento, com as pessoas que amo, minha família, meus amigos extremamente especiais. Nenhuma festa de 10 mil reais teria sido melhor do que a cerimônia do meu casamento. Acho que todo mundo percebeu isso...

Consegui não chorar em nenhum momento, nem quando cantei a música de Sandy & Júnior (fora do tom, é verdade, mas isso não vai ficar na lembrança! ;D). Queria muito que fosse desse jeito, porque em geral as noivas desatam a chorar assim que saem do carro e nem aproveitam a alegria da Ave Maria tocando e todos os olhares voltados para elas! Eu aproveitei, falei com todo mundo e lembro de todos os passos!

A casa ainda está bagunçada, mas eu estou bastante feliz! O Capitão está se saindo um verdadeiro dono de casa, limpa, cozinha, uma beleza! Encontrei o marido perfeito!

Estarei publicando as fotos aqui no Veleiro aos pouquinhos, porque o internato começou e não há tempo para nada! Aguardem e confiram! ;)

Beijão!

quinta-feira, 26 de julho de 2007

E LÁ VEM A NOIVA...


Pronto, chegou o dia. 26 de julho de 2007, meu casamento.

Sei nem o que escrever. Hoje já fui dormir às 2 e meia da manhã e acordei às 7, arrumei apartamento, me estressei... Não quero nem pensar na cerimônia, deixa as surpresas só para o momento!

Agora que faltam exatas 4 horas, acho que vou ficar jogando paciência para espairecer...

terça-feira, 24 de julho de 2007

É DEPOIS DE AMANHÃ!!!

FALTAM 2 DIAS!!!!
E eu não tenho tempo para mais nada!!!

quarta-feira, 18 de julho de 2007

UM DIA, DEPOIS OUTRO...


Em meio à morte de papai e à semana que antecede meu casamento (dois eventos tão díspares, mas quis o Senhor que acontecesse tudo ao mesmo tempo...), sobra muito pouco tempo para atualizar o Veleiro.
Eu tinha muito medo de enfrentar o momento da morte de papai, ainda que viesse me preparando para ele já há algum tempo. Mas Deus dá a força necessária para superarmos as dificuldades, cada um de acordo com sua capacidade. Eu quis cuidar dos detalhes do enterro, escolha de caixão, funeral, cemitério, primeiro porque não havia mais ninguém com a cabeça no lugar para fazer isso, depois porque eu achava que devia isso a papai, por todas as broncas que ele já tinha resolvido pra mim. Não quis deixar Amilson ou outro genro dele tomar a frente, e Deus segurou firme todos os meus passos. Na verdade, prometi que não iria ver papai deitado num caixão, coberto de flores, mas acabou que eu tive que liberar o corpo no necrotério e até ajudei a arrumá-lo... Vai entender a vontade de Deus...

Chorar de verdade, como Mellina e mamãe, é verdade, não chorei. Não saberia dizer o porquê. Certo é que chorei bastante até a véspera do dia em que ele morreu, cada vez que voltava pra casa depois de passar horas no hospital. Vi muito sofrimento no rosto de papai, sobretudo nos últimos dias, depois que ele foi entubado. As enfermeiras diziam que ele não estava sentindo nada - e realmente não havia nenhuma resposta a qualquer estímulo, mesmo doloroso - mas aprendi na aula de Anestesiologia que mesmo pacientes em coma sentem dor, ainda que não possam expressar. E eu via que papai sofria a cada inspiração, porque seu pulmão já não tinha forças para se manter. Insuficiência respiratória decorrente de metástase pulmonar foi a causa do óbito, mas quanto à atitude do médico residente tenho minhas reservas, e pra ser sincera não concordo com o que está escrito no atestado não... Mas enfim, aquele não era o momento pra eu arengar com ele...

Eu vi no atendimento que papai recebeu por parte da equipe médica aquilo que alguns professores - mais humanos - tentam passar durante o curso: o médico tende a se afastar do paciente quando a batalha contra a doença está perdida. Não estou aqui para julgar ninguém, até porque serei médica daqui a 2 anos e não sei como me comportarei, mas digamos que tenha sofrido na pele o que é não ter uma palavra de conforto e pensar que o caso não interessa mais ao médico assistente. Aprendi muito com esse internamento de papai, e meus futuros pacientes vão agradecer por isso...

A verdade é que agora ficou um vazio... Parece realmente que arrancaram um pedaço de mim. Não consigo imaginar papai morto debaixo da terra, ainda ouço a voz dele pela casa chamando Téo, de vez em quando falo baixinho para não acordá-lo, achando que ele está dormindo no quarto... Eu vi o corpo dele, toquei, fiquei olhando até derrubarem a última pá de terra em cima do caixão, mas para mim é como se papai tivesse ido ao céu, como pensam as crianças, do jeitinho que sempre foi. Pra mim papai ainda está tão vivo que não pode ter virado apenas um pedaço de carne que vai se decompor com o tempo. Pode parecer besteira, mas é um confronto de idéias que acontece em alguém que teve 4 semestres de aula de anatomia e visitas ao IML... Eu sei de tudo o que acontece a uma pessoa que morre, mas na minha cabeça a pessoa que eu enterrei não foi meu pai: meu pai foi ao céu, virou estrela, do jeito que era, não vai se consumir até virar só osso. Freud deve explicar...

Dá vontade de chorar às vezes, dá saudade de ouvir os passos dele, de dizer "Papai, cheguei" toda vez que entrava em casa... São essas coisas que só o tempo irá ajudar a minimizar, mas eu sei que um dia vai ficar mais fácil...

Mas, enfim, Deus fecha uma porta e abre uma janela, e faltam apenas 8 dias para o meu casamento. Eu e o Capitão estamos sofrendo de Tensão Pré-Nupcial, ambos estressados e sem paciência um com o outro... É bom porque a gente gasta o abuso antes de casar, pra depois passar o resto da vida só amando e querendo bem... :D

Quero agradecer ao apoio de todos os meus amigos nesse momento difícil. E dizer que vamos seguir em frente, porque agora eu, mamãe, Mellina e Sandra temos uma pessoinha mais perto de Deus, para interceder diretamente por todas nós, não é mesmo? :)

Beijo a todos!

terça-feira, 17 de julho de 2007

SAUDADES...


MÁRIO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE
* 1º/11/1935
+ 13/07/2007

quinta-feira, 12 de julho de 2007

A PARTIDA


Imagine que você está à beira-mar e vê um navio partindo.

Você fica olhando, enquanto ele vai se afastando e afastando, cada vez mais longe, até que finalmente parece apenas um ponto no horizonte – lá onde o mar e o céu se encontram.

E você diz: Pronto, ele se foi.

Foi aonde?

Foi a um lugar que sua vista não alcança, só isto.

Ele continua tão grande, tão bonito e tão importante como era quando estava perto de você.

A dimensão diminuída está em você, não nele.

E naquele exato momento em que você está dizendo: 'ele se foi', há outros olhos vendo-o aproximar-se e outras vezes exclamando com júbilo: ele está chegando...”

Para o meu paizinho, que entrou em coma, e agora está indo, indo, igual a esse barquinho, para se encontrar com Deus...

terça-feira, 10 de julho de 2007


Passando aqui sem novidades, apenas para atualizar...

Até o momento a música do meu casamento será um CD com uma seleção de alto nível, para tocar no meu gravador com MP3 dado pela minha madrinha Simone... Música vai ter, só não será ao vivo. Eu sinceramente não estou mais a fim de procurar substitutos. Não estou com paciência nem de ir na casa das pessoas entregar os convites! Eu tenho uma prova amanhã e outra na quinta e nem sequer abri o livro. Mais uma vez vai ser na teoria do chute.

Ao contrário das minhas também madrinhas e noivas Cris e Sheila, não consegui, durante esses 8 meses, fazer do casamento assunto principal da minha vida, simplesmente por falta de paciência. Não será agora, faltando 16 dias, que isso vai mudar. Por mim agora eu só cuidaria de arrumar as coisas no apartamento, e deixaria essa história de prova de vestido, modelo de buquê, grupo pra tocar, enfim, esses detalhes da cerimônia ficariam todos pra lá. Não mudando a parte de cima do vestido, nem colocando uma cauda tamanho família, a costureira pode fazer o que bem entender. E não sendo de rosas vermelhas, qualquer buquê também está bom. E não é porque eu sou a noiva mais desanimada da paróquia, é porque estará bom mesmo, eu ficarei igualmente feliz no dia com um buquê branco, amarelo, verde limão... Meu noivo estará no altar me esperando? Minha mãe e meus amigos estarão na igreja? Esse casamento será por amor? Então o resto, falando sério, não tem tanta importância assim!

Mas vá lá, escolhi um modelo de buquê, já imprimi, vou dá-lo às pessoas responsáveis por isso...

Agora eu tenho que ir ao hospital visitar meu paizinho, dizer-lhe que eu estou perto dele e estarei até o dia em que isso tudo acabar, e mostrar-lhe que, com o meu casamento, estou fazendo exatamente aquilo que ele quis deixar de herança: cuidando da minha vida. Também vou dar uma força a mamãe, que está só o pito... Depois tenho que estudar (nem que seja só fingir...) e mais tarde sair com o noivo para resolver a roupa dele (eu estou exatamente casando com a pessoa certa em relação à despreocupação com as formalidades da cerimônia...). E à noite, se Deus quiser, pegamos a chave do apartamento.

Se o dia terminar desse jeitinho, eu estarei feliz...

quinta-feira, 5 de julho de 2007

DÁ LICENÇA QUE EU VOU ENCARNAR A VÍTIMA!


Eu não sou essa pessoa sensata do post passado durante as 24 horas do dia. De vez em quando preciso chutar o pau da barraca e gritar: "PQP, já não está bom, não? Precisa piorar ainda mais???"

Faltam 21 dias para o meu casamento. Daqui a 3 semanas estarei entrando na igreja com meu vestido branco. Casamento complicadinho esse, que demorou 10 anos para acontecer, passou 8 meses no perrengue e ainda hoje não pára de me dar preocupações!

Eu sou uma noiva que não está tendo o direito de curtir um dos momentos mais esperados da sua vida! E estou aqui nesse post para gritar que isso é uma injustiça!!! Porque eu faço parte da lista de mulheres que sonharam a vida inteira com esse momento, e agora que ele chegou está tudo errado!

Não era para papai estar gravemente doente numa cama de hospital, entre a vida e a morte! Era para ele estar firme e serelepe, ajudando Amilson a resolver as coisas da casa (porque ele certamente iria querer cuidar de tudo...), pronto para me levar ao altar vestido com seu terno verde de general do Exército! Porque quando ele comprou esse terno disse que era pra usar na formatura de Mellina e no meu casamento!!! Dá para entender? Era pra ele estar bem de saúde, para tirar muitas fotos comigo na cerimônia, para beber o uísque dele na recepção! Eu vou me casar e não vou ter meu pai lá comigo! Ele não vai nem saber que eu estou me casando, porque sua mente está bastante alterada! Vou me casar e não vai ter um sorriso no rosto da minha mãe, porque ela vai estar sozinha no altar, e vai se lembrar dele! E isso não é justo!

Não era para mamãe estar no hospital, vendo papai se acabar aos poucos e lutando para ser forte! Era para ela estar comigo, comprando as coisinhas que faltam para o meu enxoval, escolhendo seu vestido, me ensinando a fazer uma feira, cuidar da casa! Era para ela estar feliz, era para todo mundo estar feliz, porque meu Chá Bar vai ser no próximo domingo! Está tudo errado!

E, como se já não bastasse tudo o que está acontecendo, não era para o Ministério de Música dos Casais ter compromissos inadiáveis no dia do meu casamento, porque já estava tudo certo para eles tocarem, e agora à essa altura do campeonato eu não tenho mais ninguém para chamar! E como se já não bastassem todas as dificuldades que eu tenho, no meu casamento não terá música, eu que estudei no Conservatório, que toquei em dezenas de casamentos por míseros 50 reais, que sempre achei um absurdo o descaso dos noivos com relação ao repertório da cerimônia, justamente no meu casamento não haverá música!!!

Isso tudo está tão errado, é tão triste, é uma injustiça tão grande não permitir que uma noiva possa se alegrar no dia que deveria ser um dos mais felizes da sua vida, é tanta falta de sensibilidade fazer com que ela não tenha o braço do pai para se apoiar na hora em que estiver entrando na igreja e as pernas tremerem ao ver tanta gente e seu amor esperando no altar, isso tudo é tão estupidamente injusto e errado que eu estou cansada, triste e sem vontade!

E as palavras do post anterior podem ter sido muito inspiradas, bonitas e corajosas, mas hoje, quer saber? Hoje a vítima sou eu!

sábado, 30 de junho de 2007

SOBRE O SOFRIMENTO


O sofrimento é o jeito que Deus arrumou de quebrar todas as nossas barreiras e finalmente ficar pertinho de nós. Papai está sofrendo muito, mas tenho certeza de que esta é a oportunidade que o Pai deu a ele para que expiasse seus pecados e se tornasse um pouquinho mais santo. Todos nós temos pecados. Quando Deus chamar papai e esse sofrimento todo terminar, certamente ele já estará guardando para ele um lugarzinho ao seu lado no céu.

Esta não é uma reflexão triste, é uma reflexão de verdade. Se uma futura profissional de saúde não aceitasse que todo ser humano tem um ciclo, que ele nasce, cresce, vive, reproduz e também morre, seria uma eterna luta contra a natureza. E se papai está sofrendo tanto, com tanta dor, não seria sinal de que Deus não desistiu dele (apesar de suas numerosas limitações), e permitiu que ele participasse um pouquinho do sofrimento de Cristo antes de sua morte? Se Cristo, o Filho de Deus, sofreu bastante antes de morrer, não é uma honra para papai poder também sofrer junto com Ele, para também sentar ao lado dos anjos e santos depois da morte?

Foi o Papa João Paulo II quem fez uma reflexão parecida com essa quando estava doente. E o Padre Léo (que morreu de câncer no início do ano) também completou: não sabemos por quê Deus permitiu que essa doença dominasse papai, mas sabemos para quê. É para que ele seja mais santo e possa morar com Jesus no céu. Não tenho dúvidas disso. Por isso sempre rezo para que Deus tenha misericórdia de papai, de suas inúmeras fraquezas, e não permita que esse sofrimento seja imensamente prolongado. É câncer, está avançado, tem metastáse, é incurável: diante de tudo isso, eu só não queria que ele sofresse por muito tempo...

Mas...

Esse post também é alegre, para dizer que compramos a geladeira e a máquina de lavar, e que agora, de todos os itens da nossa casa, só falta o colchão!

E faltam apenas 26 dias! :D