quinta-feira, 21 de outubro de 2010

SER OU NÃO SER?

Sabem aqueles momentos da vida em que você não sabe se casa ou compra uma bicicleta? Tô vivendo um desses... O ano tá acabando (já tem vitrine de Natal nas lojas!...) e eu estou cheia de projetos para 2011, mas não consigo escolher um deles para tentar pôr em prática. Porque estou gostando bastante dessa história de ser mãe, mas ainda existem outras coisas que me fazem feliz (além do sorrisinho banguelo de Lulu), e eu queria respirar ares "não-maternos" no ano que vem. E quem sabe, ares "não-médicos" também...

Acho que a escolha de uma profissão não deve limitar a construção do conhecimento. Explico: eu escolhi que a medicina pagaria minhas contas, mas isso não me impede de querer aprender uma porção de outros assuntos que não tenham nada a ver com a saúde (ou a doença) alheia. Eu passo o dia e a noite escutando as lamentações dos pacientes, e mesmo que goste de ajudá-los a resolver suas queixas, vocês hão de convir que é muuuuito chato ouvir problema dos outros all day. "Meu filho tá com febre", "Minha filha tá vomitando", "Apareceu um caroço debaixo do sovaco", e blá, blá, blá. Aí eu queria, sei lá, fazer um curso, talvez até outra faculdade, de outra coisa, literatura, poesia, enfim, algum lugar onde as pessoas não quisessem me chamar de "doutora" e nem me pedissem uma receitinha azul qualquer...

Isso tudo porque aquela história da Residência foi por água abaixo mesmo. Muito trabalho e pouco dinheiro, muito tempo longe de Lulu e pouco tempo para mim. Aí me veio a idéia de sair do Posto, porque não é o que eu gosto de fazer, embora seja um dinheiro fácil de ganhar. Mas essa história de dinheiro é complicada, se eu saio de lá tenho que pegar uns plantõezinhos a mais no hospital, e sempre vai ser à noite, ou no sábado ou no domingo. E aí tem a questão que ninguém merece trabalhar no final de semana, e nesse aspecto o Posto sai na frente, porque funciona apenas de segunda à sexta, e sexta é minha folga. Aí tem a outra parte, não seria melhor continuar no Posto e sair do plantão do sábado à noite pra ficar só no da sexta de dia, podendo assim dormir sempre em casa e curtir o final de semana com a família?

Mas quanto tempo mais eu consigo aguentar nessa vida de pegar 3 conduções pra ir e 3 pra voltar, neste calor infernal que faz no Recife?

Ai, Jisuis...

E Lulu neste exato momento dorme o sono dos justos, depois de passar a tarde inteira pulando, batendo palma, dando tchau pra tudo que se mexe (incluindo folhas de árvore e o rabo do meu cachorro, Téo), enfim, curtindo a vida, sem ter questões existenciais para pensar. Ser criança é uma beleza mesmo, hein?

Até a próxima!


8 comentários:

Natália disse...

Marcella estou vivendo por uma crise também..rs
Sou formada em administração de empresas e nem voltei a trabalhar, preferi ficar juntinho da Bianca, mas não quero trabalhar para os outros, quero ter um negocio, o Meu negocio, sabe...
Oh vida cruel..rs
Complicado ne?

Vivian disse...

Sei o que é isso. Mas tem que pensar em vc tbm né? Mãe tbm é gente...
Não consegui largar o Gá e voltar à ativa ainda.
Mãe sofre! rs
Bjos

Desconstruindo a Mãe disse...

Estamos de mãos dadas... tenho 35 anos, mestrado, uma filhota de 6 e um baixinho de 1 ano e 9 meses. Dedicação integral.
Já iniciei vários projetos de retomada e até mudança de profissão, antes do nascimento do Caio. Mas depois do nascimento dele, tenho vivido o dilema de não participar de tudo (e tenho que ter controle de tudo?), ao mesmo tempo a vontade de, como disseste, respirar novos ares...

O blog me mostra que dá, sim, pra ter idéias, amigos, ambientes novos. E é uma terapia de grupo, também!

O legal é que tu já tens um trabalho que te dá oportunidade de fazer algo não apenas dentro de casa, não apenas pelo núcleo familiar, mas dá um retorno pra sociedade, pra ti como indivíduo e como profissional... Acho que posto de saúde é uma experiencia interessante, com gentes diferentes, realidades complexas...

Só queria dizer que independente do que decidires, tua felicidade e realização fará tua filha aprender sobre isso que sentirás e admirará o fato de a mãe dela ser uma pessoa com habilidades e competências, talento, conhecimento e que é útil.

Não sei se consegui expressar da melhor maneira, até porque ando há noites sem dormir direito, mas... fica firme!

Beijo,
Ingrid

Celia na Italia disse...

Oi Marcella
A vida é sempre cheia de escolhas e todas elas sempre nos trazem coisas boas e outras nem tanto. O importante, apesar de ser difícil, é escolhê-las e vivê-las, depois vemos se foram as mais acertadas.
Se me permite uma sugestão, faça uma lista dos prós e contras das opçoes e pontue cada uma delas. O mais importante tem a maior pontuação, o menos importante, a menor pontuação e o resto fica numa faixa intermediária. O numero final te ajudará na decisão.
Boa sorte e um super abraço!

Fabiana disse...

Qtas indagações...
E vejo que Lulu tem muita “culpa” nisso tudo.

Mas não queira decidir tudo já. Que tal esperar Lulu crescer mais um tiquinho para resolver?
Eqto isso, vc vai pensando, refletindo...

Tenho certeza que seu coração decidirá o melhor.

Bjokas.

Chris Ferreira disse...

OI Marcella,
sei bem o que é isso. Também fico em dúvida se arrisco ou se continuo no marasmo confortável.
Acho que a flauta ajuda sim porque aqui também não sabemos cozinhar. Brincamos fazendo os cupcakes e algumas delícias. Mas comida mesmo ... Xiiii não sai nada.
beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Claudia disse...

Oi querida
Eu te entendo e tbe fico com muitas duvidas...nao é facil. Tenta escutar tua intuição, pese os prós e contras e no final dá tudo certo, vc vai ver so!
Estou na torcida!
Mil bjks e um otimo findi (aqui ta friozinho...)

http://blogdaclauo.blogspot.com/

Luciana Cavalcanti disse...

Marcella, fía: tudo se resolverá... Tu é sabida!
E Lulu...? Está dando Tchau pra tudo?!? kkkkkkkkkk É ótchima ela...! =)