segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

SUPER NANNY 1, MARCELLA 0...

Sou da geração que levou poucas e boas palmadas. Lembro de mamãe correndo pela casa atrás de mim e da minha irmã, segurando o velho chinelo de couro (aqui no Nordeste é assim), das marcas nas pernas depois que ela conseguia nos alcançar, e daquela dorzinha ardida... Enfim, apanhei um bocado e estou aqui viva pra contar a história, sem nenhum grande trauma em relação a isso. Mas aí veio a modernidade e colocou tudo a perder...

Hoje em dia não se pode bater nos filhos, sob pena de ser punido por lei. A psicologia moderna, disfarçada de Super Nanny, sugere mil e um caminhos para contornar aquelas situações em que a criança se transforma num pequeno monstrinho. Concordo. Sinto-me incapaz de levantar um dedinho que seja pra cima daquela cabrita malcriada, nem nas piores birras. Não consigo machucar fisicamente aquela que mais amo no mundo. Não tenho, porém, um pingo de paciência para "me abaixar à altura da criança" e tentar "argumentar" com ela.  Na maioria das vezes deixo-a esperneando na sala e vou pra outro local da casa, até que o cansaço a vença e ela pare de chorar. Mas ontem pensei: "Marcella, você é uma mãe ou um rato? Ponha ordem nessa casa e mostre a Ana Luiza quem é que manda aqui!". Então, pela primeira vez, Lulu foi pro castigo.

Foram 5 minutos de paz e consciência tranquila. Ao meio-dia e meia coloquei-a dentro do quarto e disse: "Você vai ficar aí sozinha porque fez malcriação!", assim, como se eu fosse a mãe mais coerente do mundo. Ouviram-se choro e ranger de dentes, mas eu me mantive firme. Às 12h35 abri a porta e perguntei: "Quer sair do castigo? Então pare de chorar e peça desculpa a mamãe!". Isto feito, ela foi pra sala, quieta, calada, sem nenhuma raiva de mim, e a paz voltou a reinar no apartamento.

Concluindo: não parece, mas cinco minutos de castigo resolvem muita coisa. Adote essa ideia você também. E ponto pra Super Nanny.

2 comentários:

Cris disse...

La em casa o banco do pensamento sempre funciona. Adotei desde cedo, senão perdemos o controle total da situação - Bernardo esta com 4 anos e me testa no limite! Bjos!!

Chris Ferreira disse...

Oi Marcella, aqui eu adoto o castigo, mas a Sofia é osso duro de roer, se recusa a ficar no castigo, é brabo. Já c a Ana Luiza resolvia bem. Que bom que você acho o caminho. Mas com o tempo tudo vai melhorando.
Uma ótima semana pra vocês
beijos
Chris
Inventando com a Mamãe