domingo, 12 de agosto de 2007

FELIZ DIA DOS PAIS!


Como vocês puderam perceber, a minha passagem pelo Veleiro está sendo semanal, apenas no dia em que venho descansar na casa de mamãe... Na verdade, passadas as pompas de vestido branco, buquê e lua-de-mel no interior, essa história de casamento começou a ficar pesada: parece que a realidade enfim - e infelizmente - bateu à nossa porta...

Não que eu pensasse que a vida a dois se resumia a dormir de conchinha - kkkkkkkk adorei essa, Simone! - mas não havia atentado para as responsabilidades domésticas que estavam incluídas no pacote. Responsabilidades que, para ser sincera, eu nunca tive enquanto mulher solteira. Óbvio que lavava pratos, varria uma casa, mas administrar uma cozinha não era minha atribuição. Saber o que está faltando e o que está sobrando na geladeira, o que vamos fazer para o jantar, arrumar tudo antes de dormir (essa é a pior parte!), além de separar roupas para colocar na máquina, recolher as roupas do varal, isso não estava no meu sonho de casamento...

É, podem rir (eu sei que estão rindo), não me importo! Estou sendo sincera. Acontece que em apenas um mês muitas reviravoltas ocorreram na minha vida. Papai morreu, eu casei e fui morar num lugar diferente, com um pessoa de hábitos totalmente diferentes, assumindo responsabilidades novas para mim, além do internato em Cirurgia Geral, que é um pesadelo! 3 coisas difíceis num período muito curto! Meu sistema de adaptação não conseguiu dar conta!

Porque o rodízio de Cirurgia é assim: chega-se antes das 7 da manhã no hospital e vai fazer a evolução dos pacientes. Isso significa conversar com eles, saber como foi a noite, anotar no prontuário, examinar ferida cirúrgica (caso seja pós-operatório), aferir pressão etc etc. São 5 pacientes por pessoa. Se houver cirurgia, eu entro (para olhar e me estressar, porque detesto cirurgia!!!). Durante o dia, resgatar todos os resultados de exames dos paciente e anotar no prontuário. À tarde, repassar todos os seus pacientes para o residente responsável, elaborar todas as condutas e solicitar novos exames. Fora isso, têm as visitas da enfermaria, com todos os médicos olhando cada um dos pacientes internados, e os seminários. Com isso, eu chego em casa em casa lá pras 5 e meia da tarde, morta de cansada. Aliás, cabe um adendo: o trabalho não é extremamente cansativo (entendam, é cansativo, mas não extremamente), mas é uma área que eu não gosto (cirurgia geral, sangue, paciente amarelo, com dor, morrendo...), e essa talvez seja a explicação para tudo parecer tão maçante. Papai morreu numa enfermaria de cirurgia geral, parecida com a que eu estou estagiando. Acho que juntando tudo meu psicológico pediu socorro...

O resultado desse desequilíbrio pessoal foi uma séria crise de dor de estômago, vômitos e febre, uma entrada na emergência do Hospital Memorial e falta ao estágio na sexta. Pois é, fiquei doente. Segundo o médico, possível gastrite nervosa. Proibida de comer bobagens e tomar coca-cola (ou seja, proibida de ser feliz...). O Capitão de serviço no sábado, vim pedir arrego na casa de mamãe. Aquela comidinha bem feita, a velha caminha de solteira onde dormi durante 17 anos, o carinho de Téo... Pronto, acordei bem melhor, sem dor, sem estresse. Mamãe vai me ajudar a preparar um cardápio prático para a semana, de modo que minha vida fique mais organizada. E eu estipulei que vou estudar apenas uma hora e meia por dia e já me darei por satisfeita (não que eu estivesse estudando mais, apenas minha consciência ficava cobrando o impossível). Assim vamos nos adaptando...

Últimos recados:

- Escolhi 106 fotos para o meu álbum de casamento! kkkkkkk Foi mesmo, exagerei de verdade! Mas é que todas ficaram lindas e esse foi um momento único! Vou gastar tudo o que tenho, mas vou gastar com gosto! :D

- Hoje é o primeiro Dia dos Pais sem papai. Vou com mamãe e Mellina ao cemitério daqui a pouco, ficar lá um pouquinho com ele. Não vou comentar porque não quero terminar esse post de maneira triste. O amor que sentimos por papai - e que sempre sentiremos, não importa onde ele esteja - é o que vai eternamente mantê-lo vivo em nossos corações.
- Foto: eu, o buquê e papai...

Senhor !
Abençoa todos aqueles que têm a difícil tarefa de educar os filhos.
Dá-lhes coragem, compreensão e sabedoria.
Dá-lhes alegria e fé para que possam ser aqueles amigos que a juventude espera;
capazes de ouvir seus anseios sem recriminações;
capazes de aprender a mensagem de seus corações, sem confundi-la com a sua emotividade;
capazes de orientar a sua inteligência num justo termo,
sem muitas palavras vazias de significação.
Senhor, se todos os Pais do mundo não forem abençoados,
o mundo será estéril e os pequenos, rejeitados;
não mais acharemos quem queira a responsabilidade de ser pai;
não haverá mais amor;
e o riso das crianças não será mais ouvido.
E a terra nada mais produzirá.
Não haverá estímulo, não haverá vida;
E o egoísmo levará o homem a exterminar seu irmão, pois não haverá a simplicidade de crianças para fazê-lo:
- pensar na pureza de um gesto;
- na responsabilidade de uma vida que depende do outro;
- na fraternidade humana de todas as criaturas.
Senhor !
Que todos os Pais do mundo saibam ser verdadeiramente Pais, amando, compreendendo e perdoando...

O MEU PAI SOUBE!

3 comentários:

Monica disse...

Tanta mudança, né?
Assusta um pouco... mas vcs são fortes e vão tirar de letra... tenho certeza!

Bjsssssss

Maria Carolina disse...

Ruiva... nem me fale. Odeio esse rodízio tb... e mesmo sem ter um trabahlo extremamente cansativo, tb me sinto extremamente estressada... pq odeio cirurgias e odeio acordar de 5:30.
Mas pelo menos tu dorme de conchinha... e eu? Hum... as vezes fico um poco de conchinha tb... pq ninguém é de ferro, né?
Hum... enjôos e vômitos? Já? hahahahaha! brincadeira...
Beijos

mar disse...

não me casei, mas morar sem a mamae trouxe algumas mudanças nas rotinas e igualmente a vc não fazia muita coisa e continuo sem fazer muito, o importante é não se estressar com isso e o tempo vai colocando as coisas no lugar, não precisamos ser as super donas de casa e se comparar com "mainhas". bj