segunda-feira, 19 de abril de 2010

VEM, CATIVA-ME!


Que felicidade estranha é essa quando se é mãe?
Ter vontade de matar quando a filha chorar sem consolo por 2 horas, mas encher de beijos quando ela der um sorrisinho?
Não entender como uma coisinha tão pequenininha pode bagunçar tanto o seu dia, mas sinceramente não querer que ela vá embora?
Achar que todos os bebês são fofos, mas nenhum é tão lindo quanto a sua filha?
Passar a compreender sua própria mãe e amá-la ainda mais, apesar de tudo?
Que jeito diferente é esse de ser feliz?
Sei ainda não, tô aprendendo. Aprendizado difícil, que às vezes eu quero, às vezes não quero de jeito nenhum. Tô aprendendo. Cativando. Mas sendo cativada, acima de tudo.

"Então a raposa apareceu.

-"Bom dia."-disse a raposa.

-"Bom dia."- respondeu educadamente o Pequeno Príncipe.

-"Quem és tu? És tão bonita de se olhar."

-"Eu sou uma raposa.", disse a raposa.

-"Vem brincar comigo.", propôs o Pequeno Príncipe. -"Eu estou tão triste."

-"Não posso brincar contigo.", disse a raposa. - "Eu não estou cativada."

- "O que significada isso ? cativar?"

-"É uma coisa que as pessoas frequentemente negligenciam.", disse a raposa. -"Significa criar laços."
 
-"Para mim és apenas um menininho e eu não tenho necessidade de ti. E tu por sua vez, não tens nenhuma necessidade de mim. Para ti eu não sou nada mais do que uma raposa, mas se tu me cativares então nós precisaremos um do outro".

A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse:

-"Por favor cativa-me."

-"O que eu devo fazer para te cativar?" perguntou o Pequeno Príncipe.

-"Deves ser muito paciente.", disse a raposa.  -"Primeiro vais sentar-te a uma pequena distância de mim e não vais dizer nada. Palavras são uma fonte de desentendimento. Mas sentar-te-ás um pouco mais perto de mim todos os dias."

No dia seguinte o Príncipezinho voltou.

-"Teria sido melhor voltares à mesma hora." disse a raposa.

-" Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais me sentirei feliz. Ás quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens por exemplo a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração...É preciso criar rituais."

Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa.

Quando chegou a hora da partida dele:

-"Oh!" disse a raposa. -"Eu vou chorar".

-"A culpa é tua", disse o Pequeno Príncipe.

- "Tu mesma quiseste que eu te cativasse...".

-"Adeus.", disse o Pequeno Príncipe.

- "Adeus.", disse a raposa.

-"Agora vou contar-te um segredo: Nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas tu não deve esquecê-la. Tu tornas-te eternamente responsável por tudo aquilo que cativas."

(O Pequeno Príncipe - Saint Exupéry)


Um comentário:

Luciana Amâncio disse...

Poucas coisas foram ditas, de tão importantes e belas, como estas em toda a literatura mundial:

-"Agora vou contar-te um segredo: Nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas tu não deve esquecê-la. Tu tornas-te eternamente responsável por tudo aquilo que cativas."

(...)

Mas é evidente que com essa carinha aí... ANA LUIZA CATIVA qualquer um(a)!!!
Minha sobrinha é lindaaaaaaaaaa!!!
=)

- E tu sabes que és linda, né não, Aninha?!? :P

...É óbvio que ela sabe!!! Olha a carinha dela! ;)

rsrsrsrs

Xeros nos 3!