quarta-feira, 5 de maio de 2010

SE ISSO NÃO É AMOR, O QUE MAIS PODE SER?


Fui buscar Lulu na casa da minha mãe (para onde a tinha "despachado" ontem), metade revigorada, metade culpada. Tudo ia bem, bebê no braço, mamando, uma beleza. De repente, Ana Luiza cospe fora o peito e dana-se a chorar como se tivessem arrancado um dedo dela. 7 horas da noite, um desespero que Deus deu, nada que eu fizesse parava aquele sofrimento, ela foi ficando vermelhinha, soluçava, gritava, um show. Enrolei Lulu numa fralda e saí com ela pela rua, na esperança de parar aquela dor incontrolável (já que o Tylenol achou de não fazer nenhum efeito). As luzes piscando, o barulho dos carros, aos poucos ela foi se acalmando, parou de chorar, encontrou um lugar confortável no meu ombro para encostar a cabeça e dormiu.

Descobri ontem (e confirmei hoje, já que ela repetiu a dose e NEM TYLENOL MAIS EU TINHA!) que não tem coisa mais desesperadora para uma mãe que ver seu filho chorando de dor e não poder fazer nada. Não tem como descrever isso. Esse povo miudinho não deveria ter tanto sofrimento assim não, ave-maria!

Hoje esqueci tudo, deixei pra lá a fome na hora do almoço, matei todas as minhas necessidades extra-maternidade e passei o dia todo à disposição dela. Foi um dia bom, uma vitória para a construção desse amor materno que eu pensei não existir ainda (se a aflição que me deu ontem à noite não for amor, sei mais não o que é!). Ela ficou mais calminha e nem chorou (fora a crise de dor, não houve outros momentos de lágrimas). Ganhei risadinhas, a-gus, a-gás, gui-guis... Agora à noite ela relaxou e dormiu, pude até estudar um pouquinho, só pra variar...

Vocês tinham razão, valeu a pena. Talvez eu aprenda um pouquinho a cada dia. Ô, troço difícil!

8 comentários:

Paty disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paty disse...

Ahhhh,é verdade...ver um filho chorando e com dor é mto ruim.E quando é mto pequeninho e não pode dizer o q sente é mais desasperador ainda aff!
Cuidar de filho, não é fácil,mais com certeza vale mto a pena. confesso a vc q sou mtoooooooo mais feliz hj, depois q meu troço nasceu,ele é minha vida...nem sei como pude viver 25 anos sem ele rs...

Beijocas,e aparece hein?

Ahhhh,o comentário excluído foi meu.

Fabi da Juju disse...

Oi Nathy...

Amiga...realmente é uma fase dificil essa do cemço...eu penei...só Deus sabe...Julia chorou muito.

Mas tente se manter mesmo calma...ajuda demais.
Essa fase passa rápido...fica tranquila.

Beijos

Janine disse...

Oi Marcella, minha irmã me mandou seu blog, pra eu ler, amei! Dou muita risada, pois passo e passei por isso e qta sinceridade!!! risos. Eu tenho um bebezinho de 3 meses. Hoje estamos bem mais "vinculados" e bem adaptados! Amor de mãe e filho é construido, assim como qualquer outro amor. E cada dia que passa... vai se fortalecendo. Tudo questão de tempo. Que legal, vou acompanhar seu blog! Bjão Janine mãe do Samuel!

Luciana Amâncio disse...

Aninha e você gaanhando fãs e seguidoras!!!! Que massa!!! E há toda uma Rede de Cooperação de mães à beira de um ataque de nervos... que bom! Vocês se ajudam!
=)

Luciana Amâncio disse...

o que é "a-gus, a-gás, gui-guis"???? Deve ser engraçado... se ela ria e dizia istooooo!!! :P

Luciana Amâncio disse...

Ahhhhhh... Que charme esta posição de dormir!!! kkkkkkkkkkkk

Amanda Monteiro disse...

http://elpalpite.blogspot.com