sábado, 21 de abril de 2007

COMO DIZ FÓCRATES: É SODA!


O esquema de fila coletiva não funcionou na prova de Neuro de ontem. Primeiro porque a organização não foi suficiente, e aí concordo com Ivo: ninguém quis se reunir durante toda a semana para dividir funções. Na hora saiu uma bagunça. O povo inventou de levar um bolo de aniversário para um dos colegas (tudo mentira), na intenção de distrair o professor e roubar o gabarito; não deu certo: ele percebeu e ficou uma fera... Aí o plano B seria repassar as respostas para toda a turma. Cada um só precisava estudar um assunto, previamente estabelecido, e o resto das respostas seria distribuída coletivamente. Seria...

Pra falar a verdade, quem nasceu pra lagartixa nunca chega a jacaré. Esse é meu caso. Nasci pra ser besta, morrerei besta, e em matéria de fila sou um zero à esquerda desde os tempos do colégio. Tenho tanto medo de ser pega e acho essa atitude um sinal tão grande de desonestidade que simplesmente não filo. E não tenho tido grandes compensações por isso. Geralmente estudo muito e tiro notas baixas, ao contrário dos meus colegas adeptos da prática. Também não adianta vir dizer que o futuro irá separar o joio do trigo, e eu serei uma profissional competente, enquanto eles serão um fracasso. O que acontece no mundo real é que os espertos sempre saem ganhando, e provavelmente eu iniciarei minha vida profissional dando plantão no SUS, enquanto meus colegas abrirão suas clínicas particulares no Boa Viagem Medical Center...

Mas Neurologia é um assunto à parte, e não iria dar tempo de estudar tudo mesmo, além de que estou passando muito tempo no hospital com papai, o que piorava as coisas. Então, estudei só o cerebelo e esperei pelo milagre. Mas o milagre não veio. E não veio só para mim.

Os lugares já estavam marcados e me colocaram pra sentar na primeira cadeira, porque aí eu não precisaria repassar o gabarito para mais ninguém (devido à minha falta de experiência com a coisa...), apenas receberia da pessoa que estivesse atrás. Eu sei que na hora o gabarito não seguiu a ordem que estava estabelecida, e foi um tal de "cada um por si e pelos seus", de modo que eu fiquei esperando, esperando, e nada das respostas chegarem até mim... A prova tinha 40 questões: apenas uma foi sobre cerebelo. 39 eram sobre coisas que eu não sabia nem pra onde iam. Fiz a prova eu e Deus, mas Ele é o autor da obra, e não era possível que não soubesse nada sobre o funcionamento do corpo que Ele mesmo criou! Dessa forma, acertei 18 questões e fiquei com 4,5.

"Os meus", que poderiam repassar o gabarito, estavam sentados do outro lado da sala. Mas antes da prova, de madrugada, quando eu estava estudando e com o MSN ligado, pedi a Ivo pra repassar as respostas pelo celular. Tudo combinado, fiquei até tranqüila: caso nada dê certo, Ivo vai passar o gabarito dele pra mim. Agora pergunto: passasse? Nem ele.

Então o pior de tudo não é ter tirado a menor nota da sala porque o gabarito não chegou até mim (aliás, considerando a minha situação, minha nota foi excelente!): o pior é ter sido esquecida. NINGUÉM lembrou que eu existo, NINGUÉM se preocupou em passar o gabarito pra mim. As pessoas partilharam entre si quando viram que o esquema não sairia certo: Fulana conseguiu ver as respostas de Beltrana e passou para Sicrana e Xucrutes, que eram suas amigas. Nenhum cristão lembrou de passar pra Marcella.

É muito bom ligar pra Marcella de madrugada e pedir pra que ela falte à aula das 8 pra ficar revisando com ela até a prova das 10. E Marcella já fez isso várias vezes. Ou chegar ao meio-dia dizendo que não vai fazer a prova porque não estudou, e Marcella se prontificar a fazer um super-resumo do assunto e deixar que a pessoa veja as respostas na hora da prova. Nesse momento Marcella é sempre lembrada. Mas na hora que a farinha estava pouca, ninguém se lembrou de fazer um pirãozinho pra Marcella também (meu ditado favorito!...). Depois vem com cara de pecador arrependido, pedir desculpas, dizer que pensou em passar o gabarito (mas não passou...), e coisa e tal. Mas quem tirou o 4,5 e vai se f... agora é Marcella!

Essa história de papai internado à espera da visita do seu médico (que nunca aparece) e de vizinhos bisbilhoteiros à procura de informações (certamente na intenção de mandar lavar com antecedência o vestido preto pro velório...) tem me mostrado que amigo de verdade é coisa difícil de achar. E graças a Deus eu tenho alguns. Aliás, retificando um post anterior: é preciso cuidado pra não misturar afinidade com resquícios de safadeza antiga. Acho que isso andou sendo confundido por aqui...

Agora uma notícia boa:

Eu e o Capitão decidimos (agora DEFINITIVAMENTE) reformar a antiga casa da avó dele para morarmos lá. Já fizemos o projeto (tão lindo...) e o orçamento. As obras já começam hoje (fez sol!)!!! Estou feliz!!! :)

Beijão!

7 comentários:

Maria Carolina disse...

Ruivinha...

Ai meu Deus... será q sou uma das pessoas que não fez o pirão? Sou não, né? Nunca imaginei q não daria certo pra vc.
Mas agora vc não participará de mais nada e sentará atrás de mim... pq eu passo gabaritos muito bem.
Mas vc tem seu amigo Ovo... q se pudesse faria a prova por vc... hahaha! Cada coisa q eu escuto na vida. E qd eu disse q vc não recebeu "Ela não recebeu? (coloca as mãos na cabeça) e era minha a responsabilidade! (e sai com carinha de menor carente).
Eu sou tua amiga, visse?
E quero saber tudo sobre essa casa.

Beijos

Maria Carolina disse...

E vamos deixar a soda de lado e tomar uma coca bem gelada...

Maria Carolina disse...

Ah... voltei com força total... e comentei quase tudo até o post da mãe taqui...
Beijos

mar disse...

afinidade com resquícios de safadeza antiga? depois vc me explica essa parte melhor tah? e quanto a prova vai pra coca mesmo e deixa a soda pra lá... e quanto a casa só novidade. vixe muita coisa mudando! bjao

Monica disse...

Eitaaaaa... Sem comentários pela prova!
Fiquei feliz pela decisão, espero que tenha sido o mais acertado!
Bjinhossss

Renatinha disse...

Eita ... fiquei tão feliz com esse lance da casa .. vamos voltar a planejar o chá de construção então kkkkkk. Bjus :D

Luciana Amâncio disse...

"quem nasce pra lagartixa nunca chega a jacaré" é ditado que serve para lagartixas e jacarés... gente é outra história. Aliás, gente faz História... e muda as histórias!!! Olhe, por exemplo, você vai casar... e ter filhinhos... isto muda o ciclo da Vida...
...eu acho...

Xêrooooooooooo!!!!